CARLOS SANTOS ON LINE

Blog jornalístico editado e postado no Rio Grande do Norte (Brasil)

Minha foto
Nome:
Local: Mossoró, RN, Brazil

Jornalista, atuando profissionalmente há mais de 21 anos, com experiência em jornal impresso, TV, revista, rádio, webjornalismo e mídias alternativas, além de assessorias político-empresariais. CONTATOS: herzogcarlos@gmail.com

quarta-feira, maio 31, 2006

Consulta busca caminho fora da verticalização

O deputado José Carlos Araújo, presidente do diretório regional do Partido Liberal (PL) na Bahia, protocolou Consulta (CTA) 1277 no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sobre a escolha e o registro de candidatos nas eleições de outubro, tendo por base a Resolução 22.156, que disciplina a questão. O ministro José Delgado (foto) será o relator da matéria.
O deputado indaga se o partido que não lançar candidato à eleição presidencial, isoladamente ou em coligação, pode celebrar coligações distintas em cada estado com os partidos que assim o fizerem. Em caso afirmativo, o parlamentar quer saber se a coligação estadual deve, obrigatoriamente, ser efetuada para as eleições majoritárias e proporcionais.
A eleição majoritária é utilizada para escolha de presidente da República, governadores, senadores e prefeitos. Por meio da eleição proporcional são escolhidos vereadores, deputados estaduais e distritais (no caso do Distrito Federal) e deputados federais (artigos 83 e 84 da Lei 4.737/65 - Código Eleitoral).
José Carlos Araújo pergunta ainda se o partido sem candidato a presidente que se coligar na eleição majoritária estadual a dois outros partidos com candidato a presidente, pode compor apenas com um deles para as eleições proporcionais. Por fim, quer saber se os partidos coligados nos estados para as eleições proporcionais podem lançar, isoladamente, candidatos a deputado estadual ou federal.

Getúlio aponta Felipe Maia para vice de Garibaldi

O deputado estadual Getúlio Rêgo (PFL) não se entusiasma com a indicação do seu nome para ser candidato a vice numa chapa encabeçada pelo senador peemedebista Garibaldi Filho. Ao mesmo tempo, ele defende que a escolha recaia sobre o advogado Felipe Maia (PFL), filho do senador José Agripino (PFL).
Getúlio falou há poucos minutos à RPC, rede de emissoras de rádio do grupo comandado pelo ex-deputado estadual Carlos Augusto Rosado (PFL). Entrevistado pela jornalista Aglair Abreu no "RPC Debate", Getúlio disse que hoje pela manhã sugeriu o nome de Felipe em diálogo com o próprio Agripino.
Ele ponderou que "não tenho condições de subir no mesmo palanque em Pau dos Ferros (seu principal reduto eleitoral) em que esteja o ex-prefeito Nilton Figueiredo (PPS)". Da mesma forma citou a condição de conflito pessoal em Umarizal, "com o ex-senador Zezito Martins e o ex-prefeito Adson Martins". Para Getúlio, "o eleitor não perdoa essa convivência".
O projeto de Getúlio é partir para conquista do sétimo mandato consecutivo como deputado estadual. "Tenho a lealdade, a correção e a fidelidade como meus maiores patrimônios", definiu.
A posição de Getúlio foi comunicada a José Agripino e a Garibaldi, líderes do PFL e PMDB respectivamente, que pela primeira vez no RN ensaiam uma coalizão.

COLUNA DO HERZOG

Reengenharia política pró-Wilma

Não é por acaso que a governadora Wilma de Faria ostenta um currículo de feitos memoráveis e insólitos na política do Rio Grande do Norte. Sua reação à manobra arrasa-quarteirão das forças oposicionistas está vindo com sua marca. Ela não se rende, estrebucha e dá sinais de que tem ainda muito fôlego para enfrentar o favoritismo à eleição governamental do senador Garibaldi Filho (PMDB), exaltado por muitos como um “governador em férias”.
O movimento de io-iô do presidente da Assembléia Legislativa, deputado Robinson Faria (PMN), o faz refluir da decisão que parecia iminente e irrevogável, de migrar à oposição. Seria vice de Garibaldi Filho. Wilma de Faria passou os últimos dias tocando pessoalmente conversas e articulações, que garantiriam a permanência de Robinson em seu sistema, ao lado de um leque de deputados e lideranças localistas.
A fixação do deputado federal Iberê Ferreira (PSB) como vice e o apoio dela ao senador Fernando Bezerra (PTB) à reeleição, completariam sua chapa. Essa costura de Wilma impediu uma sangria considerável nas intenções de voto do seu sistema. Ao mesmo tempo, alijou parte dos nutrientes com os quais Garibaldi contava para praticamente sacramentar uma vitória eleitoral acachapante.
Noutra frente, não se pode ignorar outra reação, a do ex-senador Geraldo Melo (PSDB), de manter postulação ao Senado, como fato novo e até surpreendente. Em vez de somar para Garibaldi Filho, Geraldo ao seguir em frente fortalece indiretamente a própria Wilma, de quem – não duvide – pode receber apoio em momento decisivo da disputa ao Senado da República.
Esses últimos acontecimentos mais do que nunca mantêm Wilma de Faria no páreo. Imprevisível falar agora quem vai vencer as eleições, mesmo que seja insofismável: há um favorito, Garibaldi Filho. O cenário atual permite defini-lo como tal. Ele pode até não vencer, mas dificilmente perderá. Entretanto, não é prudente proclamar vitória por antecipação. Wilma de Faria continua surpreendente e está viva; muito viva.

PRIMEIRA PÁGINA

BASE – Deputado estadual de longo curso, o médico Getúlio Rego (PFL) é o nome a vice que o PFL oferece à chapa ao governo, encabeçada pelo senador Garibaldi Alves Filho do PMDB. Com a decisão, Felipe Maia (PFL), que é filho do senador José Agripino (PFL), “herda” as bases eleitorais no Oeste de Getúlio, para ser pela primeira vez deputado estadual.
BOIANDO – No PT, os sinais de decepção com o escanteamento do ex-secretário de Saúde do Estado Ruy Pereira (PT) é visível, não obstante se evite queixa pública. Ontem à tarde a governadora Wilma de Faria se reuniu com dirigentes do petismo potiguar para explicar e justificar sua escolha por Iberê Ferreira (PSB), deputado federal, para vice à campanha deste ano. O PT está novamente boiando e cogita lançar Ruy ao Senado. Não tem peito para isso. O comando nacional do partido tem interesse em reforçar a campanha de Lula à reeleição e uma postulação de Ruy em faixa própria atrapalharia a aliança com Wilma.
TEMOR – O temor de Wilma, é que o PT lançando Ruy Pereira em faixa própria ao Senado, termine causando algum tipo de perda de intenção de votos para ela. Além disso, prejuízo – bem maior – no tempo da coligação governista nos programas de TV e rádio. Afiada com o presidente Lula, Wilma não terá dificuldades para acalmar os companheiros, que de novo sobraram.
DESCONFIANÇA – A ex-prefeita Rosalba Ciarlini (PFL) lançou a semente da desconfiança, quanto ao manifesto assinado por 12 prefeitos do PFL, em apoio à reeleição da governadora Wilma de Faria. Para ela, a governadora tem motivos para ficar sobressaltada, em vez de supostamente eufórica. “Será que eles (os prefeitos) fizeram uma consulta ao povo?” indagou. E mais: “Será que não estão pressionados?” A ex-prefeita mossoroense diz não entender como Wilma reuniu prefeitos para assinatura de convênios e ao mesmo tempo, de endosso político à governadora.
CORES – A ex-prefeita Rosalba também anda se esgueirando de perguntas quanto à mudança de discurso. “Acabou o radicalismo, essa coisa de bandeiras verde e vermelha”. Em sua ótica, “há amadurecimento”. Sua posição hoje - ao adversário histórico Garibaldi Filho -, é algo normal. “Eu fazia críticas construtivas, fiz muitas reivindicações quando ele era governador e estávamos em situação oposta”. Parece que a memória da ex-prefeita está tendo alguns lapsos de informação ou auto-avaliação.
SANGUESSUGA – O escândalo dos “sanguessugas” investigado pela Polícia Federal repica no Rio Grande do Norte e em Mossoró, outra vez. A deputada Sandra Rosado (PSB) é citada hoje em longa reportagem da Folha de São Paulo, depois que seu marido e ex-deputado federal Laíre Rosado (PSB), atual secretário da Agricultura no RN, já tivera seu nome incluído no listão de supostos beneficiados pelo esquema.
SANGUESSUGA II – Segundo a matéria da Folha, assinada pelo repórter Hudson Correa, "a Câmara dos Deputados abrigou até meados deste mês ex-funcionários da empresa Planam, apontada como a responsável pela orquestração da máfia dos sanguessugas, e pelo menos um integrante da família de Darci Vedoin, sócio-proprietário da empresa. Uma sobrinha de Vedoin, Paloma Vedoin Brondani, trabalhou como assessora parlamentar nos gabinetes dos deputados Benedito Dias (PP-AP), entre junho de 2003 e janeiro de 2004, e Sandra Rosado (PSB-RN), entre maio de 2004 e junho de 2005.”
LÍNGUA – O ex-deputado estadual Carlos Augusto Rosado (PFL) é uma pessoa particularmente preocupada, com a insistência do ex-senador Geraldo Melo em manter candidatura ao Senado, depois de alijado de aliança direta com o PMDB de Garibaldi Filho. Carlos chegou a comentar no passado, que o ex-deputado estadual Antônio Capistrano (hoje no PCB) só foi vice duas vezes de Rosalba Ciarlini, por temer uma reação irada, a “língua”, de Geraldo Melo.

GERAIS

- Os servidores da Fundac continuam em greve. Em Mossoró, na manhã de hoje ocorre panfletagem na Praça do Mercado Central e amanhã às 16h será manifestação pública na Praça Vigário Antônio Joaquim.
- Dias 7 e 11 próximos, o primeiro jogo em Assu e o outro em Mossoró, envolvendo Assu e Potiguar, retomam o Campeonato Estadual de Futebol do RN, que sofrera embargo na Justiça Desportiva. O vencedor enfrenta o Baraúnas, que em campo havia sido campeão.
- A nova edição da revista Papangu, festejadíssima na capital, tem lançamento neste dia 31 às 18h, na A.S Livros do Praia Shopping em Natal. Muitos parabéns para Túlio Ratto e sua valorosa equipe.
- O Oba Restaurante em Mossoró, saída para Fortaleza, está montando estrutura com sérvio de bar e telões para os jogos do Brasil na Copa do Mundo.
- A professora Isaura Amélia Rosado não deixa de colocar sua impressão digital por onde passa. Na Fundação José Augusto, ela articula a formação de um complexo análogo à Dragão do Mar de Fortaleza. Abrigará em Natal uma síntese da cultura múltipla do povo potiguar.
- O Programa Panorama do RN da Rádio Globo de Natal (Cabugi), às 18h15, está retomando uma tradição que a emissora tinha no passado, com considerável sucesso.
- A polícia mossoroense está abarrotada de ocorrências quanto ao uso indiscriminado de som automotivo e fogos de artifício. Duas pragas de Mossoró, próprias da falta de educação.
- Vendas de TV’s, parabólicas e até de freezer estão superaquecidos no comércio de Mossoró. Reflexo da Copa do Mundo que se aproxima.

SÓ PRA CONTRARIAR

Quem tem medo de Geraldo Melo? (II)

“Robinson está do lado errado”, diz Rosalba

A ex-prefeita de Mossoró e pré-candidata ao Senado Rosalba Ciarlini (PFL) vê como fato consumado a permanência do presidente da Assembléia Legislativa, Robinson Faria (PMN), no grupo governista. Entretanto, opinou que essa posição estaria equivocada: “Acho que ele está do lado errado”, comentou Rosalba agora há pouco ao “Jornal 96”, da FM 96 de Natal.
Rosalba disse que a provável composição da chapa majoritária da governadora Wilma de Faria (PSB), em que entraria o deputado federal Iberê Ferreira (PSB) como vice e o senador Fernando Bezerra (PTB) teria apoio à reeleição, “não alterou em nada o grupo deles”. Não ocorrera adicionamento de forças, raciocinou.
Convidado para ser o vice do senador Garibaldi Filho (PMDB), pré-candidato a governador, Robinson não aceitando a proposta, abre caminho à outra opção: o deputado estadual Getúlio Rego (PFL). “Getúlio teve desprendimento e é o nome do PFL a vice de Garibaldi”, adiantou. “Não se falou em Felipe Maia (PFL)”, excluiu ela, se referindo ao filho do senador José Agripino.
Grupo ainda pensa em Geraldo Melo
Quanto à quebra de compromisso do grupo Alves em apoiar o ex-senador Geraldo Melo (PSDB) à volta ao Senado, a ex-prefeita procurou desconversar ao máximo. “Não está (sic) nenhuma imposição de minha candidatura”, disse. “Existe momento em que você tem que ter renúncia”, aconselhou.
Afirmou que era importante o PSDB ao lado do PMDB de Garibaldi Filho e de sua postulação ao Senado. Adiantou que todos os partidos formadores do leque oposicionista em torno de Garibaldi “estão tentando esse canal de diálogo com ele.” Lembrou até que a eleição de Garibaldi resultará na posse do suplente João Faustino, que é do próprio PSDB de Geraldo Melo.

*Saiba mais sobre política na Coluna do Herzog neste Blog, daqui a pouco:
- Sandra Rosado também é citada em escândalo do “sanguessuga”
- Wilma de Faria tenta convencer PT a não esvaziar aliança governista
- Geraldo faz manobra que perturba “aliados” da oposição

terça-feira, maio 30, 2006

Geraldo Melo afirma que não vai romper

O presidente estadual do PSDB, Geraldo Melo, decidiu adotar uma postura cautelosa quanto à redifinição do seu projeto político, após a perda do apoio à sua candidatura ao Senado, por conta da composição dos senadores Garibaldi Filho (PMDB) e José Agripino (PFL), em torno do nome da ex-prefeita de Mossoró, Rosalba Ciarlini (PFL).
- Em primeiro lugar, quero deixar claro que não vou romper com ninguém – disse-me, há pouco, numa entrevista por telefone.
Saiba mais sobre este assunto acessando o blog www.jornaldoptc.zip.net, assinado pelo conceituado jornalista Paulo Tarcísio Cavalcanti.

COLUNA DO HERZOG

Radicalismo e o novo

Não exagerou a ex-prefeita Rosalba Ciarlini (PFL) ao exorcizar o radicalismo na política nativa. Em entrevista à imprensa de Natal e Mossoró no domingo passado, ela exortou o eleitor à avaliação crítica, sem apego a ressentimentos e arengas do passado.
De fato não há mais ambiente para a baixaria, o insulto, a agressão à moral e às inimizades infindáveis em face de divergências políticas. A análise do período longo e denso que foi tocado por essas características apenas vai inserir a política num tempo e espaço, onde era essa a cultura predominante.
Não é fácil se estabelecer essa visão de modo uniforme nas camadas sociais e em todos os municípios do RN. Ainda persistem antigas rivalidades e resistentes inimizades pessoais, que colocam frente a frente famílias, grupos e pessoas individualmente. As mágoas e outros sentimentos menores pairam no ar com um peso sufocante.
As urnas, em especial nas grandes cidades, devem revelar que existe uma consciência crescente quanto à injustificável decomposição nos relacionamentos interpessoais, devido motivação politiqueira. Em Mossoró, por exemplo, cairá o mito de que ainda vivemos sob o signo do radicalismo e numa cidade dividida. Mossoró tem só uma banda: Rosados. Os Rosados do A e do B.
A expectativa é de que a ex-prefeita Rosalba Ciarlini possa amealhar uma votação estelar, que sintetize documentalmente esse raciocínio. Até porque é uma invencionice a tese de “briga” entre os Rosados, uma família numerosa e em boa parte voltada para a política, com a grande habilidade de se conservar no poder há decênios, com escassos sustos quanto à hegemonia.
A ex-prefeita será votada maciçamente em Mossoró. Esperemos atitude suprapartidária como uma ode à sua biografia de administradora destacada, reflexo do bairrismo mossoroense e resultado de avanço na mentalidade política da sociedade local. Não vale a balela de que ela representa o “novo”. Tolice. Puro instrumento de retórica, compreensível do ponto de vista do marketing.
Ser o novo não é sinônimo de melhor ou vanguarda. Representa apenas uma idéia de diferenciação vantajosa, num comparativo com o que seria ultrapassado etc. Além do mais, Rosalba pode ser uma figura nova na política em âmbito estadual, mas é tão representativa do conservadorismo político potiguar, como qualquer outro “velho” nome, exemplo dos senadores Garibaldi Filho (PMDB) e Fernando Bezerra (PTB).
Tem mais: novo não é certeza de melhor opção. O voto em Rosalba ou qualquer outro político deve partir do pressuposto da qualificação, bons propósitos e outros requisitos. Até porque, nem tudo que reluz é ouro. Às vezes é falso rubi.

PRIMEIRA PÁGINA

FEDERAL – Numa conversa telefônica quarta-feira da semana passada, final da noite, o deputado federal Henrique Alves (PMDB) garantia a uma interlocutora mossoroense que o ex-senador Geraldo Melo (PSDB) seria concorrente à Câmara Federal. Geraldo teria compreendido a reengenharia do partido, para elevar a ex-prefeita Rosalba Ciarlini (PFL) ao Senado, em vez do seu nome, como acertado anteriormente.
FEDERAL – Mas parece que Henrique se precipitou na assertiva. As informações que migram de Natal apontam para relutância de Geraldo Melo em aceitar o prêmio-consolação de candidatura a deputado federal, com ajuda dos Alves para o que seria uma eleição certa. Mantida sua postulação em faixa própria, Geraldo pode ganhar dois palanques: o seu e um de fomento da governadora Wilma de Faria (PSB), como antecipamos ainda à semana passada.
FECHADO – O presidente da Assembléia Legislativa, deputado Robinson Faria (PMN), é que perdeu o bonde de uma candidatura a deputado federal. Ziguezagueando entre postulações a federal, à reeleição, Senado o e vice-governador nas chapas da oposição ou governo, terminou vendo os mais espertos se fortalecendo sobretudo à chamada Baixa Câmara. Hoje, como candidato a deputado federal, está praticamente inviabilizado.
FECHADO II – Internamente, no círculo familiar, Robinson ouve vozes defendendo sua candidatura à reeleição e de vice de Garibaldi Filho (PMDDB). No seu partido, os deputados estaduais em sua maioria estão com a idéia de vice do senador, em vez de Wilma de Faria. Mas ele continua ouvindo suas bases. Historicamente elas são vinculadas ao agripinimo, que está fechado com o PMDB.
MELO – O jornalista Antônio Melo aportou em Natal. Irmão do ex-senador Geraldo Melo, Antônio trabalha na produção de vídeos, com atuação direta para o PSDB nacional. Também entrou no círculo de ouvidos sobre o destino de Geraldo em relação às eleições deste ano.
CONTRA – Os deputados estaduais Raimundo Fernandes e Vivaldo Costa do PMN são as principais resistências à migração do partido à aliança PMDB/PFL. No caso de Vivaldo, ele até admite uma infidelidadezinha, em relação ao governismo estadual, votando ao Senado na ex-prefeita Rosalba Ciarlini.
EM ALTA – Subiu consideravelmente nas últimas horas a possibilidade da chapa oposicionista contar com o deputado estadual Getúlio Rego (PFL) a vice-governador. O parlamentar de longo curso e perenidade no pefelismo, está em compasso de espera.
FALHA – Não soou bem a ausência da governadora Wilma de Faria da sessão em homenagem ao falecido ex-ministro Aluízio Alves, promovida pela Assembléia Legislativa à tarde dessa segunda, 29.

GERAIS

- Uma picape foi tomada de assalto em plena BR-304 – Mossoró - à noite passada, com os assaltantes usando um carro de passeio, com sinalizador sobre o teto, como se fora veículo de vigilância ostensiva da polícia.
- Uma simples obra de urbanização do giradouro do Hotel Thermas está aniversariando agora em junho. Chegará a um ano e meio de obra, visto que foi iniciado em dezembro de 2004, ainda na gestão Rosalba Ciarlini.
- Os servidores da Fundac continuam em greve. Na manhã de hoje fazem mobilização reivindicatória nas unidades da instituição.
- A Sociedade Brasileira de Estudos do Cangaço (SBEC) vai realizar novo ciclo de debates, palestras e outras atividades neste mês em junho em Mossoró. O auditório do Cefet sediará o evento.
- Os fiscais de tributos da Prefeitura de Mossoró passaram por treinamento intensivo. Mas é ainda incompreensível que de pelo menos 45 pessoas que formam seus quadros, apenas 15 atuem efetivamente no trabalho de campo.
- A região praiana de Gado Bravo no município de Grossos está sendo rapidamente ocupada pela especulação imobiliária. Portugueses são os principais compradores, repetindo o que têm feito na região de Natal.
- O Hospital Regional Tarcísio Maia registrou ontem um caso de morte por meniginte, atingindo uma criança. Um temor que pode se generalizar.

SÓ PRA CONTRARIAR

Quem tem medo de Geraldo Melo?

segunda-feira, maio 29, 2006

COLUNA DO HERZOG

Uma joint-venture no bazar da política do RN

Em qualquer compêndio sobre economia é possível se identificar, sem maiores dificuldades, um termo de pronúncia estrangeira, mas de fácil entendimento prático: joint-venture. Simplificando, trata-se de uma parceria. Quanto à terminologia científica a definição clássica é esta:
“Joint venture pode ser vista como uma fusão de interesses entre uma empresa com um grupo econômico, pessoas jurídicas ou pessoas físicas que desejam expandir sua base econômica com estratégias de expansão e diversificação, com propósito explícito de lucros ou benefícios, com duração permanente ou a prazos determinados.”
Transpondo essa modalidade de composição econômica para a política do Rio Grande do Norte na atual conjuntura, não é difícil se encontrar uma analogia. O que Alves e Maias estão protagonizando com visível entusiasmo de parte a parte e empolgação de uma banda dos Rosados, sistema denominado de rosalbismo, é uma joint-venture. Com peculiaridades muito próprias, é verdade.
Em questão, os parceiros dessa empreitada objetivam desmontar um problema comum que os incomoda há considerável tempo e ameaça se alastrar, comprometendo mais ainda a sobrevivência deles. O “xis” da questão é a governadora Wilma de Faria (PSB). Essa espécie de joint-venture política é um acordo de ocasião, que a princípio não tem prazo definido para ser encerrado, porém certamente não se alongará sine-die.
Os conflitos históricos que transpõem décadas, deixando em pontos opostos de um cabo-de-guerra os grupos Alves e Maias, sofreram abalo considerável com o advento do fenômeno Wilma de Faria. Ousada, com grande senso de oportunidade e destemor, a governadora se fez pelo próprio esforço e talento político, quebrando a longeva bipolarização entre Alves e Maias.
Com essa joint-venture, ou seja, um entendimento de ocasião para alcance de metas comuns, eles procuram esfacelar a liderança política construída por Wilma de Faria. Essa é a tarefa número um. No poder, a missão seguinte é promoverem o rateio dos despojos da era wilmista. Adiante é que surgirá um inevitável impasse, recidiva de tempos imemoriais: a busca de cada um pela hegemonia política.
Acreditar que o negócio esteja fadado ao rótulo romanesco de “felizes para sempre”, é desconhecer as nuances da sociologia política e os hábitos predatórios dos personagens envolvidos nesse enredo. Não há inocentes e não faltam vítimas na história pelo poder no RN.
Compromissos firmados hoje, necessariamente não estão garantidos para amanhã. É o que se denomina de “mudança de cenário”, um eufemismo em moda no segmento político estadual, para justificar quebra de pactos. Nossos líderes – com raríssimas exceções - possuem uma natureza de lobo. Nesse ecossistema, o princípio da sobrevivência vai tornando tudo legítimo, mesmo o que convencionalmente seja observado como deslealdade ou descompromisso.
As próprias lideranças Alves, Maias e rosalbistas firmam essa joint-venture sob a égide de pequenas infidelidades, digamos assim. Entronizados no governo, Senado etc, com uma vitória que parece se desenhar para este ano, é aguardar 2008. Teremos as disputas municipais. Veremos se esse negócio de bazar político resiste aos interesses localistas nos 167 municípios.

PRIMEIRA PÁGINA

MILAGRE BRASILEIRO – O Estadão produziu reportagem nesse domingo que assusta, mas não surpreende. Dados da Controladoria Geral da União (CGU) indicam que em 77% das prefeituras brasileiras existem desvios de recursos públicos. Depois que praticamente oficializaram a corrupção em Brasília, o leque de desmandos com o dinheiro alheio só tende a continuar.
CONVENÇÃO – Com sua chapa majoritária praticamente definida em nível de Estado, o PMDB é o primeiro grande partido no RN a anunciar sua convenção às eleições deste ano. Será no dia 25 de junho. Faltam ser decididos horário e local.
AMARGO – O deputado federal Ney Lopes (PFL) fez seu programa dominical por uma rede de emissoras de rádio, em tom bastante amargo. “Pela quinta vez fui barrado”. Falou sinteticamente do episódio em que foi preterido na pretensão de ser candidato ao Senado em favor da ex-prefeita mossoroense Rosalba Ciarlini (PFL). “Sou homem de partido”, disse laconicamente. Em nota divulgada pela Internet, o conteúdo do seu desabafo foi bem mais ácido. O termo “traição” é subliminarmente colocado por Ney.
PÊNDULO – Num encontro casual com o ex-deputado Carlos Augusto Rosado (PFL), o “irmãozinho” Francisco José (PMN), deputado estadual, soltou esta: “É isso mesmo! Tenho dito ao deputado Robinson Faria (PMNB) que é por aí”. Simplificando: ele quis dizer que está defendendo no PMN o apoio à chapa Garibaldi Filho (PMDB) ao governo, Robinson a vice e Rosalba Ciarlini (PFL) ao Senado.
PÊNDULO II – Há pouco mais de uma semana, o mesmo Francisco José se apresentava como opção para ser vice ao projeto de reeleição da governadora Wilma de Faria (PSB), a quem ele “apóia”. E quanto ao relacionamento com os Rosados, não dá para esquecer que Francisco empinou uma patética campanha de propaganda à prefeitura em 2004, sugerindo o banimento desse clã familiar da vida pública. O perigo que ronda a vida do deputado é que o feitiço se vire contra ele, com férias forçadas a partir de 2007.
CHORO – Conversando com dois prefeitos da região de Mossoró, eles confessaram em momentos distintos: é difícil puxar votos para a governadora Wilma de Faria. “As promessas não chegam e a gente é que agüenta a pressão do povo (sic)”.
ALUÍZIO – A Assembléia Legislativa promove sessão especial hoje às 16h, para lembrar o ex-governador, ex-ministro e ex-deputado federal Aluízio Alves, falecido dia 6 passado.
O HOMEM – O deputado federal cassado Roberto Jefferson (PTB) é a atração imperdível do programa Roda Viva da TV Cultura, às 22h30 desta segunda. Pela parabólica ou sistema cabo é possível se acompanhar o que o Jefferson tem a dizer.
PROBLEMAS – A vereadora Izabel Montenegro (PMDB) está com sérios problemas para administrar nos próximos tempos. Um deles, conseqüência de outro, é provável processo de cassação do seu mandato, fomentado por adversários visíveis e ocultos. Em sua suplência há gente impaciente para pegar o vácuo.
SUBTRAÇÃO – Pré-candidato a deputado estadual pelo PFL, se obtiver legenda, o vereador mossoroense Chico da Prefeitura avalia que sua postulação afetará diretamente a deputada estadual Ruth Ciarlini (PFL). Irmão da ex-prefeita Rosalba Ciarlini, Ruth foi apoiada em campanhas passadas por Chico da Prefeitura, um campeão de votos e de maciça identificação popular. O raciocínio do Chico é veraz.

GERAIS

- Quem esteve circulando por Areia Branca (sua terra natal) e Mossoró no final de semana foi o cartorário e empresário Eguiberto Lira, ao lado de sua mulher.
- O comandante-em-chefe do mais que cinqüentenário Bar IP de Mossoró, Édson Pinheiro, bem ao seu estilo discreto, reuniu amigos em sua casa para aniversário, no sábado, 27, em festa que avançou pela madrugada.
- O casal Manoel Ramalho-Wilma Wanderley está tocando com bastante êxito a expansão no RN da TV União. Em poucos meses ela estará sendo captada em todo o Estado. Ótimo e parabéns ao casal e toda equipe vitoriosa.
- Contatos com este blog podem ser feitos pelo e-mail herzogcarlos@gmail.com ou fone (84) 9421-6659. Ou mesmo ao final de cada coluna ou matéria publicada, há espaço embaixo para comentários, recados etc.
- Obrigado ao economista Elviro Rebouças pelo papel de ombdusman espontâneo que cumpre, no tratamento deste Blog. A crítica de nível é fundamental, imprescindível mesmo. Idem agradecimento a Otávio Francisco, na distante Marselha (França), que faz igual pente fino no que produzimos.
- Um carro de torcedor baraunense circula em Mossoró com os seguintes dizeres no pára-brisa: “ABC, realmente um time fora de séries”. Uma alusão ao fato do alvinegro não participar de qualquer estágio das competições nacionais.
- O jornalista Marco Antônio, colunista esportivo do Jornal de Hoje, faleceu no último final de semana. Nosso solidariedade à família e amigos.

SÓ PRA CONTRARIAR

Quem será a maior liderança política do RN em janeiro de 2007, na ótica de deputados como Raimundo Fernandes (PMN) e Francisco José? É possível que só o oráculo das urnas possa responder essa indagação


domingo, maio 28, 2006

SÓ RINDO

Este Blog publica a partir de hoje, com a proposta de ser efetivo dominicalmente, casos do nosso folclore político, mostrando a vida – nem sempre fácil – de personagens reais desse universo. Essa seção nasceu há quase 10 anos, quando tínhamos o jornal via faz “”Herzog Press”, passando depois ao corpo do Jornal de Fato. Também figurou na Gazeta do Oeste e por último no extinto saite www.herzognotícias.com.br e semanário Página Certa.
O material editado a princípio sem maior pretensão, terminou se transformando num manancial considerável de histórias hilariantes, a ponto de ganhar formato novo, numa compilação em livro. Nasceu daí o “Só rindo, a política do bom humor, do palanque aos bastidores”, publicado em 2002 com tiragem esgotada.
Neste Blog retomamos o caminho, veiculando novos casos. Hoje, resgatamos uma situação vivida pelo ex-senador, ex-governador e ex-deputado federal Lavoisier Maia.
Ah, meu caro webleitor, se você conhece fatos que se enquadrem nesse tipo de narrativa, faça contato conosco, para tentarmos documentá-los.
Divirta-se e bom domingo!

Tortura diocesana

Convidado especial para evento comemorativo do centenário do Colégio Diocesano Santa Luzia em Mossoró, o ex-governador Lavoisier Maia boceja, mas segura o sono e a impaciência ante a série de discursos.
Quando o professor João Batista Cascudo Rodrigues inicia relato sobre a história do Diocesano, Lavoisier quase capitula. O hábito de oratórias de longo curso, lavra de Cascudo, se confirma. “Ele ainda está em 1927. Até chegar aos 100 anos...” angustia-se.
Terminado o discurso de Cascudo, um balé de alunos do colégio desliza no local, entremeado pelo Estatutos do Homem, do poeta Thiago de Melo. Os artigos vão sendo reproduzidos, com pausas e o serpentear de bailarinos e bailarinas.
Virando-se para o lado, Lavoisier cochicha: “Diga-me uma coisa, esse estatuto tem quantos artigos?
- São 100, governador” - exagera o interlocutor.
- Ah, meu Deus, querem me matar!

sexta-feira, maio 26, 2006

COLUNA DO HERZOG

O centralismo patológico

"A finalidade de ter poder é ter habilidade para delegá-lo" (Aneurin Bevan, político trabalhista britânico no século passado)
O governo da professora Wilma de Faria (PSB) está em seus estertores. Agoniza. Não obstante ter o que mostrar e se dirigir para uma campanha eleitoral que em breve ganhará as ruas, a governadora sofre com desgastes produzidos ao longo de quase três anos e meio de gestão. É certo que o poder desgasta, mas em dose cavalar isso se reflete na política eleitoral.
Wilma de Faria enfrentará na disputa sucessória não apenas um adversário forte, o senador Garibaldi Filho (PMDB). Observe-se que ele é imbatível em concorrências pela via do voto há 36 anos. O principal obstáculo para a governadora é o povo. Sua campanha é particularmente plebiscitária. O sim e o não popular estão subliminarmente postos no julgamento de seu governo, iniciado em 1º de janeiro de 2003.
Não é Garibaldi Filho que Wilma reencontrará nas ruas, praças, avenidas, comunidades rurais, planície e altiplanos do Rio Grande do Norte. A governadora vai se deparar novamente com o povo. Sim, ele, que muitas vezes tem seu sagrado nome mencionado em vão, mas que desfruta muito pouco dos bens da terra potiguar.
A governadora está fechando seu último ano de governo, em meio à montagem de chapas e alianças, em clara desvantagem em relação aos adversários. E não cola o discurso de vítima ou se argüir que vivenciou um tempo de vicissitudes impostas pela natureza. Wilma de Faria não enfrentou estiagens abrasadoras e muito menos invernos caudalosos. De quebra, ainda contou com maioria na Assembléia Legislativa e o governo federal como aliado.
O que então teria comprometido tanto o governo?
Talvez, em parte, essa dificuldade de hoje seja resultado de um centralismo patológico da governadora. Enquanto o mundo marcha no sentido da gestão à base de organogramas sob vasos comunicantes, ela insistiu em administrar como se continuasse reinando na terra dos xarias e canguleiros, habitantes das partes alta e baixa da capital.
O "empowerment", esquema de gerenciamento que destina tarefas e cobra resultados às escalas hierárquicas não é qualquer novidade no mundo corporativo e setor público. Porém no RN se retirou de algum baú empoeirado e com forte odor de naftalina, a crença de que o Estado dinâmico e progressista faz justamente o contrário. Pesa a mão centralizadora de Wilma. É, mas mesmo assim, ela foi incapaz de enxergar as piruetas de salão da turma do "folioduto".
Temos um governo emperrado por uma cansativa rotina burocracial, que impede um chefe de repartição no interior de repor papel higiênico ao banheiro. A comunhão da inflexibilidade administrativa com a lerdeza ante às demandas do cidadão conspira contra o governo e compromete a reeleição de Wilma de Faria. A partir daí é possível que fique mais fácil entender o porquê de suas consideráveis dificuldades para renovar o ocupação da governadoria por mais quatro ano.
PRIMEIRA PÁGINA
SUBMUNDO – O ex-deputado federal e atual secretário estadual da Agricultura, Laíre Rosado (PSB), foi inserido na página policial da edição de quinta, 25, do Correio da Tarde, diário que tem como um dos sócios o ex-reitor da Uern Walter Fonseca. Citado em investigação preliminar da Polícia Federal como envolvido no escândalo dos "sanguessugas", Laíre – que já apresentou defesa à denúncia - apareceu dividindo espaço com "Maria Cambista", acusada de receptação de produtos roubados. Foram duros com o ex-deputado.
TUCANO - A Polícia Rodoviária Federal no RN está em ebulição. A nomeação do inspetor Domingos para chefiar essa autarquia no Estado está tendo oposição interna muito forte. O comentário corrente é de que Domingos é resultado de uma influência cearense do governador tucano Lúcio Alcântara, respingando na PRF do RN. Os petistas estão raivosos com essa situação estranha.
CHAPÃO – Uma virtual fixação do ex-senador Geraldo Melo (PSDB) na chapa à Câmara Federal da Unidade Popular pode dar uma mexida no chapão que capciosamente a elite política do RN monta, oposição-situação, para evitar novidades e surpresas. A fórmula "fora de estrada, 4 x 4", com cada lado elegendo a metade da representação, talvez não vingue.
CHAPÃO II – Se a Unidade Popular conseguir chapa majoritária com Garibaldi Filho (PMDB) a governador, Robinson Faria (PMN) a vice e Rosalba Ciarlini (PFL) a senador, um hipotético arrastão pode provocar erosão de votos na chapa federal governista, migrando esses votos em sentido contrário. Daí, não ser improvável que a oposição possa fazer um 5 x 3 ou mesmo o surpreendente 6 x 2. A segunda hipótese é muito pouco provável, mas não impossível. Depois voltaremos ao tema.
MÁQUINA – A Federação das Câmaras do RN (FECAM), que temporariamente está sendo presidida pelo presidente da Câmara de Mossoró, Júnior Escóssia (PFL), está cumprindo papel idêntico ao que fora desenvolvido pela Femurn (Federação dos Municípios do RN) no passado. Antecedendo às eleições de 2002, a Femurn alimentou a postulação de Wilma de Faria (PSB), que terminou eleita governadora. Agora, a Fecam é fermentada para a reeleição.
FECAM – A entidade tem sido importante ainda para alimentar a pré-candidatura a deputado federal do vereador natalense Rogério Marinho (PSB), candidato preferencial à Câmara Federal da governadora Wilma. A programação da Fecam está pulverizando a imagem de Marinho pelo Estado e levando à tiracolo a de Wilma.
LIDERANÇA – Eleito como a governadora Wilma de Faria em 2002, o governador Aécio Neves (PSDB) de Minas Gerais chega para tentar a reeleição numa posição diametralmente oposta à colega de poder. Conta com 72% de intenções de voto. O adversário mais próximo não passa dos 8%. Aécio teve a coragem de desafiar velhos costumes, promovendo uma reforma de Estado. Wilma preferiu repetir práticas comuns àqueles que ela dizia combater, os tais "caciques".
ONDA – O PV de Micarla de Sousa não deverá perder o bonde da história que está se formando. Brigada com o prefeito natalense Carlos Eduardo (PSB), de quem é vice, Micarla conversa e se afina com a Unidade Popular. Ninguém ignore sua força emergente. Tem política nas artérias e veias, do falecido senador Carlos Alberto de Sousa.
GERAIS
- O Ministério Público de Mossoró/RN promove seminário sobre Direito Civil hoje e amanhã durante todo o dia, no auditório da Faculdade de Medicina. - A saída da empresa BRA de vôos regulares em Mossoró não se deve à razão, justa, da falta de segurança no aeroporto local. Fonte da companhia comenta que o mercado local não estava respondendo à expectativa. - É delirante o anúncio da Prefeitura de Mossoró de movimento de 1,5 milhão de pessoas durante o Cidade Junina. Sem aeroporto, com estradas de acesso sofríveis e nada de via fluvial, só mesmo a propaganda é capaz de reproduzir algo tão descabido. - No Alto da Pelonha (área urbana de Mossoró), os moradores estão sem serviços básicos como o simples recebimento de correspondências pelos Correios. E ainda falamos de desenvolvimento, com tamanho primitivismo. – O casal Tácio Garcia-Fátima, da Gondim & Garcia, com esforço sobre-humano está iniciando a descentralização do seu Palácio do Forró. A obra a passo lento, mas continuado, está ocorrendo à saída para Tibau, BR-304, pertinho de onde já existe o temático Rancho do Forró. - No próximo dia 9 de junho, a Prefeitura mossoroense promoverá mais um casamento coletivo. Dará condições à oficialização de uniões estáveis entre casais de baixa renda.
SÓ PRA CONTRARIAR
O verbo trair já pode ser conjugado na terceira pessoa do plural, presente do indicativo, na política do RN: "Nós traímos". Acabou o monopólio da perfídia.

quinta-feira, maio 25, 2006

Robinson e Wilma conversam sobre aliança

O deputado estadual e presidente da Assembléia Legislativa, Robinson Faria (PMN), foi convidado às pressas para audiência com a governadora Wilma de Faria (PSB) à tarde de hoje, 25.
O encontro que se alonga em Natal, tende a deixar à mesa da governadora a posição do deputado e seu partido, de alinhamento com a oposição na campanha eleitoral deste ano.
Robindon Faria foi convidado para ser candidato a vice-governador na chapa encabeçada pelo senador Garibaldi Filho (PMDB), ficando a vaga ao Senado com a ex-prefeita mossoroense Rosalba Ciarlini (PFL).
Desde o início da gestão de Wilma, que Robinson - primeiro no PFL e depois no PMN - tem dado apoio parlamentar ao governo. Chegou a ser sondado para ser candidato a vice ou mesmo se viabilizar ao Senado.
Saiba mais sobre o assunto na Coluna do Herzog abaixo:

Geraldo será candidato a deputado federal

O ex-governador e ex-senador Geraldo Melo (PSDB) será mesmo candidato a deputado federal este ano. Ele conversou com o senador Garibaldi Filho (PMDB), pré-candidato a governador, além do deputado federal Henrique Alves (PMDB) ainda na quarta-feira, 24, sobre seu destino político-eleitoral em 2006. O entendimento praticamente sacramentado do PMDB com PFL e PMN, acabou excluindo Geraldo da chapa majoritária oposicionista, onde ele apareceria como candidato ao Senado.
"Está tudo resolvido. Ele entendeu tudo", comentou um graduado peemedebista a este Blog, mas pedindo para não ter seu nome identificado.
A princípio, Geraldo não estaria disposto a abrir mão de sua postulação. Entretanto, a aliança do PMDB que tem a ex-prefeita Rosalba Ciarlini (PFL) indicada pelo senador José Agripino como candidata ao Senado, bem como o deputado estadual Robinson Faria (PMN) a vice-governador, não deixa brecha a Geraldo.
Saiba mais sobre este assunto lendo a Coluna do Herzog abaixo:

COLUNA DO HERZOG

Chapa (quase) imbatível

A chapa oposicionista no RN, perfilando PMDB e PFL, com o complemento de outras legendas e em especial o PMN, parece praticamente fechada. Praticamente. Até o final de junho, período das convenções partidárias, muitos desdobramentos ainda poderão mexer com o que se noticia definitivo.
Mas, é indisfarçável, que emerge um clima de euforia entre os pefelistas e peemedebistas postados no alto do comando partidário no Estado. Desde o fim da reunião em Brasília na quarta, 24, à noite, envolvendo nomes como os senadores José Agripino (PFL) e Garibaldi Filho (PMDB), além do deputado federal Henrique Alves (PMDB), a atmosfera é outra.
Uma composição com o favorito senador Garibaldi Filho (PMDB) saindo candidato a governador, o deputado estadual Robinson Faria (PMN) a vice e a ex-prefeita mossoroense Rosalba Ciarlini (PFL) ao Senado, é quase uma nomeação coletiva. Quase. E é esse time que é colocado como virtualmente acertado para o jogo eleitoral deste ano no RN, pela oposição.
Como no futebol, o favoritismo é próprio de quem parece sobrar em relação aos outros, sem que isso represente verdade absoluta e irremovível.
A própria história política do RN nos oferece exemplos de vencedores de véspera, que não resistiram à palavra das urnas. Soçobraram. Foi o caso de Manoel Varela em 50, soterrado por Dix-sept Rosado; Aluízio Alves atropelando Djalma Marinho em 60, que era o candidato da máquina governista; João Faustino favoritíssimo perdendo para Geraldo Melo em 1986 e a própria Wilma de Faria, surpreendente em 2002, dando uma “surra de saias” nos “caciques”.
O cenário de momento oferece uma idéia de força titânica à oposição. Mas a arena ainda não está com seus personagens devidamente listados e postados em cada lado desse cabo-de-guerra. Porém, uma certa empolgação dos oposicionistas não é descabida. A governadora Wilma de Faria (PSB) que corra atrás, literalmente.

PRIMEIRA PÁGINA

GERUSIA – Passou batida a velha guarda da família Alves, no foco das conversas e acertos do grupo com o senador José Agripino (PFL), durante todo o dia de quarta, 24, em Brasília. Nomes como irmã Alves, Diúda e Garibaldi Alves, pai, foram ignorados na vontade de preservação do lugar de candidato ao Senado para o ex-senador Geraldo Melo (PSDB). Diúda, Garibaldi pai e irmã Alves são irmãos do falecido líder Aluízio Alves (PMDB), que advogava apoio ao Senado para Geraldo.
GERUSIA II – Pelo visto, o colegiado de anciões não está em alta entre os Alves. Aluízio morreu, Diúda, Garibaldi e irmã Alves (que é freira) não tiveram voz. Na Grécia helênica, na cidade-estado de Esparta, o conselho de idosos (“gerusia”) era a palavra final nas decisões delicadas dessa sociedade. Com os Alves, quem está apitando é a dupla de primos deputado federal Henrique Alves (PMDB)-senador Garibaldi Alves Filho (PMDB). Os vovôs e vovós não apitam nada.
RACIONAL – Na última conversa que teve com os tios, pai e outros familiares, o pré-candidato a governador Garibaldi Alves Filho, com aquele seu jeito manso de ser, alertou: sua posição era pela aliança com o PFL. “É uma questão racional”, disse. Com o PFL na chapa, ponderou, a vitória será considerável e sem segundo turno algum. Faz sentido. E política, quanto mais pragmática, mais contundente.
VINHO – A entronização iminente da ex-prefeita Rosalba Ciarlini (PFL) na chapa majoritária puxada pelo PMDB tem comemoração regada a vinho. Não é para menos. A cúpula do grupo, comandado pelo ex-deputado estadual Carlos Augusto Rosado, (PFL) sabe que numa faixa própria a “Rosa” seria triturada pela concorrência. O slogan que no passado foi de Fernando Bezerra (PTB), agora caberá a ela: “A senadora de Garibaldi”. Se não houver maiores contratempos, é quase uma nomeação.
E NEY, HEIN!? – Parece que o deputado federal Ney Lopes (PFL) continuará em sua sina de apenas sonhar com o Senado. Não vai ocorrer pesquisa para apontar candidatura ao Senado pelo pefelismo, haja vista que todas as conversas foram conduzidas tendo Rosalba Ciarlini como a ungida pelo partido. Ney, com sua insistência, pelo menos sai com garantias para viabilizar mais um mandato federal. Dos males, o menor.
OSMUNDO – Formalizando seu nome a vice de Garibaldi Filho, o deputado estadual Robinson Faria (PFL) estará perto de realizar um projeto que esteve nas mãos do seu pai nos anos 70. O industrial Osmundo Faria estava a três dias de ser anunciado como governador biônico do RN, quando faleceu seu protetor, o ministro Dale Coutinho, do Exército. A reviravolta resultou na escolha de Tarcísio Maia.
LÍDER – Com o PMN se inclinando ao apoio ao senador Garibaldi Filho, como ficará o discurso do irmãozinho Francisco José (PMN), deputado estadual? Durante oito anos ele repetiu que Garibaldi era a maior liderança política do RN. Depois, com a ascensão de Wilma de Faria (PSB) ao governo, mudou de lado e ajustou a fita: “A governadora Wilma é a maior líder política do RN”.
GERAAAALDO!! – Que rumo tomará o ex-senador Geraldo Melo? Há quatro anos sem mandato, o também ex-governador pode optar por uma postulação própria ao Senado, algo de enorme risco. Mas há a mão estendida dos Alves, a que afaga, para lhe assegurar suporte a uma votação supimpa a deputado federal. Agora, é bom que se registre: havia um compromisso anterior da cúpula Alves em apóia-lo ao Senado. Como diz um adágio de domínio popular, “trair e coçar é só uma questão de começar”. Que se cuidem os novos aliados, pois.
CENÁRIO – Cá para nós: os Alves vêem hoje a eleição sob uma nova perspectiva, sentindo a conjuntura, perscrutando o ambiente e procurando agir com pragmatismo. As impressões quanto ao que poderia ocorrer em 2006, feitas em 2002 no acerto com Geraldo, não são as mesmas de hoje. Ou seja, com base na “mudança de cenário”, um chavão consagrado pela governadora Wilma de Faria, os compromissos são alterados. Para os adversários é traição. Para os aliados, recomposição, reordenamento político etc. Mas o certo é que ninguém fica com o nefasto monopólio da perfídia na política do RN, que é um microcosmo deste país realmente tropical, miscigenado.

GERAIS

- No saite
www.azougue.com está no ar uma entrevista com o urologista Haroldo Duarte, que merece ser lida com atenção. Ela fala sobre câncer da próstata.
- Hoje às 19h, o reitor da Uern e professor-médico Milton Marques apresenta o “Mossoró de todos os tempos” na TV Cabo Mossoró. Em foco, o jornalista Dorian Jorge Freire, falecido há tão pouco tempo.
- Penitencio-me. Na relação de vencedores do “Prêmio Jornalista Dorian Jorge Freire” anunciado pela prefeitura local à segunda, 22, este blog fez o registro com uma falha inaceitável. Carlos Adams, ex-companheiro (valoroso) do Jornal 95 da FM 95, ganhou na categoria jornalismo radiofônico. Merece todos os parabéns e este neoblogueiro um tremendo puxão de orelhas pelo lapso, deslize, displicência, pecado, erro, omissão...
- A Copa do Mundo da Alemanha mexe com a vida desse país de cima a baixo, não poupando sequer as divindades. Em vários municípios brasileiros onde Santo Antônio é padroeiro, as festas e procissões estão sendo ajustadas para não faltar quorum de fiéis. À ocasião o Brasil estará estreando na competição.
- Alexandro Gurgel, uma das lideranças da Sociedade Amigos e Moradores do Beco da Lama e Adjacências (SAMBA), em Natal, faz link com este blog para propagar nosso material. Obrigado. Ah, o endereço do Alex é este:
www.grandeponto.blogspot.com.



quarta-feira, maio 24, 2006

COLUNA DO HERZOG

O combustível da violência

TV no ar, o presidente Lula resolve traçar uma radiografia da convulsão social que assola São Paulo, provocada pelo Primeiro Comando da Capital (PCC), grupo criminoso que desafia o Estado. Para Lulinha paz e amor, a sanha delinqüente é resultado da pobreza e falta de educação. Daí, nasceriam os Marcola, Beira-mar, Escadinha etc, estima nosso presidente.
Associar intrinsecamente o crime à condição sócio-educativa é uma visão cientificamente inconsistente. Está ultrapassada aqui ou em qualquer parte do mundo moderno. O mal não é um monopólio da ignorância e da esqualidez pecuniária. O behavorismo, segmento de estudo da psicologia nascido nos Estados Unidos, afirmava que o homem seria fruto de carga hereditária somada a hábitos do seu entorno. O indivíduo como produto do meio, resumidamente.
A análise preconceituosa de Lula seria intempestiva vinda de qualquer pessoa esclarecida. O caso se reveste de maior gravidade, em face da origem do próprio presidente e da relevância do cargo ocupado. Pobre, nordestino, retirante da seca na infância e analfa até parte da adolescência, ele e o restante da numerosa família nem por isso migraram para o submundo, naquele tempo.
Sem dúvidas, que existem fatores diversos que podem induzir o indivíduo ao crime. O meio seria um deles. Mas partindo da conceituação abrangente de Lula, teríamos que cercar indiscriminadamente as favelas e bairros paupérrimos, os transformando em reproduções de campos de concentração nazistas, numa solução final em massa contra a violência.
A tese presidencial só tem alguma afinidade com o alvo, porque é pobre em conteúdo e argumentos.
A partir das observações do presidente, é fácil desmontar seu raciocínio ao se indagar: o que levaria ao crime assessores parlamentares bem pagos, políticos, juízes, altos empresários e outros abonados? Normalmente bem instruídos, socialmente destacados e endinheirados, por que se transformariam em foras da lei?
Presidente, o grande combustível à violência, ao crime continuado e à prática de delitos contra o cidadão e o Estado, é a impunidade. Pobre e sem instrução, os excluídos se desesperam e podem enveredar pelo crime. Entretanto o mais comum mesmo é oscilarem entre a mendicância viciogênica e a segregação humilhante. Afinal de contas, o lado bom da vida e das cidades, é destinado a poucos.
Não temos até hoje em nossa civilização, um formato de desenvolvimento que acople a necessidade de dilatação das riquezas com socialização dos seus benefícios. Apenas copiamos modelos de além-mar, como se colônia ainda fôssemos (ou somos). Das roupas à linguagem, passando pela política econômica, somos uma nação de costumes transplantados, mas com incrível capacidade de apenas multiplicar o pior do que se importa. A impunidade é o selo da desqualificação “Made in Brazil”.
Continuamos sendo vítimas de gerações de poderosos excludentes, patrimonialistas, oligárquicos e habitués da pilhagem. Poder-se-ia dizer que é um legado luso. Sinceramente, deixemos os irmãos portugueses em paz. Do lado de lá do Atlântico, eles estão se inserindo no que os norte-americanos passaram a conceituar como o “welfare state”, o estado do bem-estar social, enquanto a terra brasilis apenas engatinha e vive de bazófias intragáveis. Delírios próprios do poder.
O filósofo Antônio Gramsci, decepcionado com os rumos da esquerda no seu tempo, no século passado matava a charada de certas retóricas salvacionistas com uma verdade que a realidade não derrubou. Para ele, o proletariado não se revelava apto à verdadeira revolução social, por não possuir um molde próprio de felicidade particular e coletiva. No fundo, todos querem ser burgueses.

PRIMEIRA PÁGINA

ESPIGAS – O vereador Chico da Prefeitura (PFL), no quinto mandato consecutivo na Câmara de Mossoró, escolheu o símbolo de sua campanha a deputado estadual – se deixarem – este ano. “Vou expor duas espigas de milho gigantes no meu palanque”, avisa. Ele pretende reproduzir metáforas já utilizadas em disputas passadas, como o duelo de Davi contra Golias, o “tostão contra o milhão”.
ARAPONGA – O ex-prefeito de Caraúbas Júnior Gurgel tem feito trabalho na surdina para o grupo da governadora Wilma de Faria (PSB). Ele apronta relatórios regulares quanto ao comportamento da opinião pública em relação à governante e o governo. Também identifica pontos de estrangulamento entre lideranças e o próprio governismo.
JALECO – Indagada quanto à ausência do médico e seu marido Leonardo da Vinci (PFL) de um evento do município, à noite de segunda, 22, a prefeita Fafá Rosado (PFL) foi professoral: “Está cuidando do consultório; já imaginou se ele não for eleito!?” e completou: “Ele não pode abandonar o consultório”.
NA MÃO – Vereador e presidente da Câmara de Mossoró, Júnior Escóssia (PFL) deixou seus pares furibundos ontem pela manhã. Em plena sessão ordinária sumiu do plenário. A cólera dos 12 vereadores se assenta num pequeno detalhe: ele não assinou as ordens de pagamento dos subsídios dos seus colegas. A notícia é que viajara às pressas para a capital do Estado.
AMBULÂNCIAS – A proprietária da indústria onde duas ambulâncias fizeram morada há tempos, pediu a retirada dos veículos às pressas do seu imóvel. O temor é que respingue sobre ela os efeitos dessa estranha salvaguarda. Suplementarmente, contratou escritório de advocacia em Mossoró, para o caso de ser envolvida em inquérito federal e processo judicial.
ZÉ PEIXEIRO – Um dos cabos eleitorais mais disputados na atualidade em Mossoró é Zé Peixeiro, nome com atuação no bairro Santo Antônio e adjacências. Na campanha municipal de 2004, ele deixou muita gente na fumaça, aditivando o nome de uma irmã, que por pouco não figurava entre os 13 vereadores eleitos.
LEI – Nos Estados Unidos, uma atriz que faz sucesso internacional na série Lost, acabou presa por dirigir embriagada e desobedecer a pena tênue pelo excesso. São dois meses de xadrez. Por aqui, bacana rouba fortunas, às vezes passa uns dias na carceragem da Polícia Federal e depois sai debochando da lei. Rindo de nós.

GERAIS

- O reservatório de Apanha Peixe em Caraúbas está na iminência de sangrar. Faltam cerca de 30 centímetros para a água transpor a barragem do mais importante manancial hídrico do município.
- A Associação de Pais e Amigos das Crianças Excepcionais (APAE) está com uma campanha que merece o nosso endosso. Ligue até o dia 29 deste mês e doe recursos a essa entidade séria. Anote os números: para R$ 5,00 ligue 0500-45-100-05; para R$ 10,00 o número é 0500-45-100-10; o valor de R$ 20,00 pode ser feito acionando o 0500-45-100-20 e acima de R$ 20,00 é discar (11) 3038-5585. Não se trata de caridade e, sim, solidariedade.
- Quem andava entrevado em casa, é o vetusto jornalista Thurbay Rodrigues, acometido do que se convencionou chamar de virose. Por isso, a sua ausência da boa programação jornalística da RPC, tamponada hoje no Comando Geral, apresentado ao lado do Givanildo Silva, pela manhã.
- O Aeroporto de Mossoró está interditado e perdeu vôos regulares, por falta de segurança com iluminação em sua pista. O interessante é que cada lâmpada custa cerca de R$ 600 e uma empresa como o Parque Elétrico pode entregar a quantidade necessária em 24 horas, a partir do pedido. O custo disso? Cerca de R$ 36 mil. Nossa classe política é realmente sofrível.
- O camaradinha Caby Costa Lima está com um saite bastante diversificado, o www.azougue.com.br. Acesse-o. Ótimo também o www.natalpress.com.br. Ao mesmo tempo, o blog do jornalista Paulo Tarcísio Cavalcanti, www.jornaldoptc.zip.net.
- Hoje às 20h, o ótimo Reynaldo Bessa faz apresentação no Teatro Municipal Dix-huit Rosado. Pena obrigações escolares nos impeçam de prestigia-lo. - Todos os vivas do mundo para os jornalistas Mário Gerson (Gazeta do Oeste), Marcos Bezerra (Inter TV Cabugi) e Raul Pereira (Correio da Tarde). Foram vencedores do prêmio Jornalista Dorian Jorge Freire de Jornalismo.
- A próxima edição da revista mensal Papangu será lançada dia 31 em Natal, na A.S Livros. É enorme o conceito desfrutado pelo periódico de Túlio Ratto na capital.
- O cantor Orlando Morais, ótimo letrista e músico, fará apresentação no Teatro Dix-huit Rosado amanhã às 20h. Ao meio-dia, ele dará entrevista a rádio RPC.

SÓ PRA CONTRARIAR

Quando, afinal, os pré-candidatos ao governo e ao Senado vão apresentar pelo menos uma proposta de trabalho ao RN?

terça-feira, maio 23, 2006

COLUNA DO HERZOG

Cada um por si?

Por que nomes como Robinson Faria (PMN), Fernando Bezerra (PTB), Rosalba Ciarlini (PFL) e Geraldo Melo (PSDB) não se lançam ao Senado em faixa própria, independentemente de quem seja cabeça de chapa?
Cada um deles tem legenda própria, requisito inicial para a tomada de uma posição desse porte. Entretanto, parece infindável o disse-me-disse, vai-e-vem e a dificuldade comum a todos de definição de candidatura ao Senado.
Essa é uma prova cabal de que nenhum possui fôlego próprio, apesar de tamanha liberdade, para enfrentar uma disputa majoritária com tal envergadura. É balela, puro sofisma, se divulgar que qualquer um deles tem condições de se eleger distante de um puxador de votos.
Não deixemos de frisar, entretanto, que pelo menos dois desses nomes anteciparam – mesmo que possa ser em tom de blefe – a disposição de candidatura com ou sem apoio. Fernando Bezerra e Geraldo Melo avisaram que podem assumir o risco. Entretanto, trata-se de uma postura muito mais de reação do que atitude proativa. Procuram sobreviver às manobras dos donos de grupos mais fortes, capazes de alijá-los do processo.
Como no passado recente, os candidatos ao Senado estão intimamente ligados a quem disputará o governo. Por isso é que a engenharia para a montagem de chapas continua confusa, de resultado imprevisível produzindo um noticiário inverossímil.
O faz-de-conta só será estilhaçado nas convenções partidárias em junho. Todos os pré-candidatos ao Senado são individualmente limitados, necessitando de lideranças como Wilma de Faria (PSB), José Agripino (PFL) ou Garibaldi Filho (PMDB) como elemento de atração. Contudo, é óbvio, que na existência de uma vaga ao Senado em disputa este ano, um deles será eleito.
Não há favorito ou postulação imbatível. O que tende a pesa muito à corrida eleitoral à chamada Alta Câmara, é a companhia na chapa majoritária. O nome a governador.
PRIMEIRA PÁGINA

NA MOITA – Os 13 vereadores de Mossoró fizeram reunião secreta ontem no gabinete do presidente Júnior Escóssia (PFL). Até mesmo o licenciado Renato Fernandes (PL) esteve presente. Pelo que vazou do encontro, o rateio, digamos assim, de repasse suplementar superior a R$ 1,2 milhão a ser feito pela prefeitura, estaria no centro das conversas.
PESQUISA – É um insulto à inteligência, o PFL insistir em divulgar que uma pesquisa apontará quem o partido indicará como candidato ao Senado. A disputa interna entre o deputado federal Ney Lopes (PFL) e a ex-prefeita Rosalba Ciarlini (PFL) é uma farsa, visto que desde junho do ano passado a cúpula partidária desenvolve campanha própria e personalizada em favor de Rosalba, relegando a um segundo plano Ney Lopes.
PESQUISA II – O PFL de Mossoró é quem inventou no RN essa fórmula de fabricar base científica para endossar vontade particular. Em 92, transformou o então vice-prefeito Luiz Pinto em candidato a prefeito, depois de levá-lo à pesada propagação de imagem. A tal pesquisa "definiu" depois quem seria nome a vice e a prefeito. Tudo arrumado. Em 2004, o mesmo ocorreu com a hoje prefeita Fafá Rosado (PFL). O pefelismo nativo produziu denso trabalho de propagação de sua imagem, para depois legitimar sua escolha numa pesquisa de resultado óbvio.
RACHA – O apoio ostensivo do presidente da Câmara de Mossoró, Júnior Escóssia (PFL), à pré-candidatura a deputado federal do vereador natalense Rogério Marinho (PSB), causa uma reação incisiva dentro de sua própria família. O ex-prefeito e ex-deputado estadual João Newton, seu pai, é curto e grosso: "Não ajudo em nada e não voto. Ele que não conte comigo".
PERDIDO – A entrevista do deputado estadual Francisco José (PSB) a O mossoroense no domingo, 21, se oferecendo para ser vice de Wilma de Faria (PSB), não foi levada a sério na Governadoria. Se o nome do ex-secretário da Saúde Ruy Pereira (PT) já é aquilatado como fraco, o de Francisco nem nesse nível é postado. O deputado sabe que tem dificuldades quase intransponíveis, hoje, para se reeleger. Mas nem tudo está perdido.
REAL – O suplente de deputado estadual Gilvan Carlos (PSB) aos poucos cai na real. Imaginava que parte dos colégios eleitorais catequizados pelo secretário estadual do Planejamento Wagner Gutemberg (PSB) no Oeste, desistente de candidatura à Assembléia Legislativa, seria destinada para seu nome. Não é o que está ocorrendo. O estrago na postulação de Gilvan é muito considerável.
ATRASO – A quase totalidade da imprensa de Mossoró e do RN está descobrindo com atraso o caso de destinação de emendas do orçamento da União por deputados de outros estados, para fundações no RN, como nos municípios de Serrinha dos Pintos e Martins. Há pelo menos quatro meses, o jornal Página Certa (www.jornalpaginacerta.com.br) vem detalhando o assunto em suas minudências.
BAIXAS – Vários secretários e gerentes da Prefeitura de Mossoró começam a fazer opção pelo médico Leonardo da Vinci (PFL), como candidato a deputado estadual. A antiga preferência pela deputada Ruth Ciarlini (PFL), irmã da ex-prefeita Rosalba Ciarlini, não está vingando. Marido da prefeita Fafá Rosado, Leonardo caminha para superar com sobras o nome de Ruth em Mossoró, que em 2002 abocanhou quase 22 mil votos só neste município. Não é por acaso que a deputada anda estressada.
GERAIS

- "De calça curta e chinela" é o título do discurso apresentado pelo poeta Antônio Francisco, à sua posse na Academia Brasileira de Literatura de Cordel, ocorrida à semana passada no Rio de Janeiro. Uma peça, que reafirma seu talento.
- É bastante precária a saúde de dona Maria Cândida, viúva do jornalista Dorian Jorge Freire, falecido ano passado. Ela está internada há vários dias num hospital de Mossoró.
- O ex-secretário de Educação e Agricultura do RN, governos Garibaldi Filho (PMDB), professor Pedro Almeida Duarte, anda com dois álbuns de fotografia debaixo do braço. Neles não há qualquer documentário sobre administração pública ou política. Os mimos são dois netos seus, gêmeos, com pouco mais de um ano de idade. Ser avô dá nisso.
- Eventos de entidades públicas e privadas em Mossoró mantêm a escrita: é praxe o atraso na programação. Esse mal só perde para o vício da apresentação nominal de autoridades. Um provincianismo próprio das sociedades mediocráticas.
- O industrial Ademus Ferreira, da Aficel, um dos grandes exportadores de castanha de caju do país, anda ziguezagueando pelos céus com um mimo para poucos. Trata-se de helicóptero particular com seis assentos. Uma conquista merecida para quem trabalha e faz sucesso pelo seu esforço.
- Uma das áreas de Mossoró com franca expansão é o Alto da Pelonha. Há mais de 30 anos, o falecido prefeito Dix-huit Rosado já enxergava isso. Chácaras e casas estão sendo montadas na área, que vêm se valorizando sobremodo imobiliariamente.
- A palestra da noite dessa segunda, 22, feita pelo jornalista Ricardo Noblat no Teatro Dix-huit Rosado, sobre a expansão dos blog’s (obrigado pelo apoio), foi esclarecedora. Um alerta (mais um) para os dirigentes de jornais impressos que insistem no gigantismo ou se distanciam da reciclagem necessária a esses veículos. Nada substitui o talento.
- A pouca participação de público e a escassa representatividade social ontem no Teatro Dix-huit Rosado, para entrega de prêmio de jornalismo Dorian Jorge Freire, bancado pela Prefeitura de Mossoró, são sintomáticas. Demonstra o quanto nós que fazemos a imprensa estamos em baixa. A profissão, que deve ser encarada como apostolado, ao ser distorcida em seus primados, deixa de receber o devido respaldo da sociedade. Ação-reação. Elementar.

segunda-feira, maio 22, 2006

COLUNA DO HERZOG

Geraldo irredutível; Garibaldi que se vire

O senador Garibaldi Filho (PMDB) destacou sua tropa de choque para tentar convencer o ex-senador Geraldo Melo (PSDB) a abrir mão da postulação ao Senado, em favor de uma composição com o PFL do senador José Agripino (PFL). A missão especial não logrou êxito na tarefa. Geraldo continua irredutível; Garibaldi que se vire.
A proposta à mesa foi considerada descabida por Geraldo Melo, que reiterou que será candidato à volta ao Senado numa faixa própria, mesmo sem apoio de Garibaldi Filho. O senador peemedebista pensa em ceder lugar na chapa ao Senado à ex-prefeita de Mossoró Rosalba Ciarlini (PFL).
Mesmo dentro do seu grupo e da família, Garibaldi se depara com resistências sérias à mudança pró-Rosalba. Uma ala empina o nome de Geraldo, argüindo que há um compromisso firmado com ele ainda pelo recém-falecido Aluízio Alves, líder familiar.
Garibaldi ampara-se num raciocínio pragmático, avaliando que a coalizão com o PFL representaria uma vitória em primeiro turno, sem o suor de uma eleição suplementar – de resultado imprevisível.
Ex-auxiliares de Garibaldi, Jaime Mariz, Lindolfo Sales, seu irmão e conselheiro do Tribunal de Contas do Estado (TCE) Paulo Roberto Alves e Vicente Freire não saíram animados do encontro com Geraldo Melo. O relato que fizeram a Garibaldi sintetizou os efeitos colaterais da candidatura peemedebista, se Geraldo for expurgado da chapa majoritária este ano.
“Garibaldi vai ter que passar a campanha se explicando sobre a traição a mim”, conduziu Geraldo Melo ao quarteto fantástico de Garibaldi Filho.
O que o PMDB e Garibaldi talvez ainda não tenham observado, é a possibilidade da alteração representar a abertura de brecha para a governadora Wilma de Faria (PSB) reforçar a própria campanha. Ninguém duvide: ela não teria dificuldade de apoiar subliminarmente Geraldo, construindo novo palanque contra Garibaldi Filho, mesmo que isso representasse a cristianização do seu próprio candidato ao Senado. Cuida-te, Fernando Bezerra (PTB).
Com tanto imbróglio, ninguém está seguro quanto à disputa estadual deste ano. Tudo é possível. Geraldo sabe disso e tem muitos trunfos à mão.

PRIMEIRA PÁGINA

SAMU – O Samu, ótimo serviço de urgência criado pelo governo federal, tem feito trabalho elogiável em Mossoró. Mas em face da violência no município, os veículos desse programa evitam acorrer a chamados em certos lugares. Na Favela do Fio, por exemplo, o Samu só vai se for sob escolta da polícia. Ontem foi assim, para recolher um marginal apelidado de “Biro-biro”. Essa escória matou o ex-jogador de futebol Silva (veja nota em gerais) e ontem foi baleado por um inimigo.
IRRITADA – A prefeita Fafá Rosado (PFL) saiu um pouco de sua fleuma britânica na sexta, 19, em solenidade de entrega de unidades do programa “Casa da Gente”. Queixou-se irascível da “oposição”, alterando sobremodo a voz ao falar de supostas críticas infundadas que estaria sofrendo. Estranho. E há oposição em Mossoró?
DEMISSÃO – A vereadora Cícera Nogueira (PSB), que está interinamente na Câmara de Mossoró, em substituição ao titular Renato Fernandes (PL), bateu o martelo. Nesta segunda protocola demissão da equipe de gabinete deixada por Renato, que está dirigindo a Codern. Ela deixou sua posição clara para Lauro Maia, filho da governadora Wilma de Faria (PSB), em sua passagem por Mossoró na quinta, 18. O problema de amansar Renato fica para Lauro, Wilma e o pré-candidato a deputado federal João Maia.
DEMISSÃO II – Como noticiamos em primeira mão em nossa coluna à semana passada, Cícera já havia ponderado diretamente a Renato na quarta, 17, a necessidade de promover essa mudança. Não convenceu o licenciado, no diálogo com ele durante evento de lançamento da Ficro na TV Cabo Mossoró àquele dia. Lauro Maia pediu um tempo para resolver o impasse, mas terminou cedendo ao cerco de Cícera, que é absolutamente legítimo.
MAL-ESTAR – Amigos comuns que ainda existem, entre a deputada Sandra Rosado (PSB) e o ex-reitor da Universidade do Estado e sócio do Correio da Tarde Walter Fonsêca, estão inquietos com o nível de beligerância entre os dois. Coerente o temor. Ex-componentes de um mesmo grupo, eles não se bicam e atitudes grosseiras de parte a parte estão elevando a temperatura do duelo, que há muito deixou o campo da civilidade. Lamentável, mas verdadeiro.
LAVAREDA – Cientista político e consultor do ex-presidente FHC em duas campanhas dele à presidência, o pernambucano Antônio Lavareda recebeu novamente a cúpula do rosabismo e o senador José Agripino (PFL) à semana passada. Do encontro em Recife, o ex-deputado Carlos Augusto (PFL) saiu outra vez convencido de que a postulação de Rosalba Ciarlini (PFL), ao Senado, precisa sobremodo da força gravitacional do senador peemedebista Garibaldi Filho (PMDB). Marchar em faixa própria é suicídio.

GERAIS

- Imperdível a palestra do jornalista Ricardo Noblat hoje, às 20h no Teatro Dix-huit Rosado. Falará sobre o fenômeno dos blogs (olha nós aí!). Antes, o governo municipal entrega o prêmio “Jornalista Dorian Jorge Freire”.
- Nossa solidariedade à família de Francisco Xavier, que atuava no gabinete do vereador Francisco José Júnior (PMN). Envolveu-se numa colisão entre motos no sábado à noite no Alto de São Manoel, morrendo desse acidente.
- Quem também faleceu foi o cantor potiguar Elino Julião, um nome que atravessou as fronteiras do RN com autêntico forró pé de serra.
- A juíza trabalhista Gláucia Gadelha está atuando na comarca de Assu, mas não se distanciou de Mossoró, onde despacha e promove audiências às quintas-feiras. Ela fez um trabalho ousado em nível de Justiça do Trabalho em Mossoró.
- A violência continua em evidência em Mossoró. No domingo pela manhã, o empresário Paulo Gomes, proprietário do bingo “Mina da Sorte” foi seqüestrado no trajeto da BR-304 Mossoró-Fortaleza, em Aracati. Trazido para Mossoró, ele entregou R$ 30 mil aos bandidos e viu sua picape Frontier Nissan ser levada também.
- O cenário de violência na cidade é muito pior. Tiroteios, assaltos, roubos de veículos, cinco mortos no Itep etc. O ex-jogador de futebol Silva (atuou em Potiguar, Vitória (BA) etc) foi assassinado. Na quarta, 18, sofreu agressão ao reagir a assalto em sua casa e morreu no domingo em conseqüência da violência.
- Postos de saúde, Hospital Tarcísio Maia, Pam do São Manoel e Comunidade de Saúde tiveram um final de semana com gente amontoada. Sofrimento principalmente para idosos e crianças se queixando do que as autoridades de saúde identificam como virose. Um eufemismo, para se escamotear nova onda de dengue em Mossoró.
- O Hotel Thermas sediou uma incipiente exposição de carros antigos no final de semana. Entre os expositores, os empresários Paulo Coelho, Rútilo Coelho e Manoel Ribeiro com seus mimos sobre rodas.

sexta-feira, maio 19, 2006

COLUNA DO HERZOG

Governo realmente participativo

Com o Mossoró Cidade Junina dando os primeiros sinais de vida este ano, a polêmica em torno do assunto é naturalmente realimentada. Afinal de contas, a promoção resulta em lucro ou sangria do meio circulante do município? A proposta do Cidade Junina é boa, mas parece que ainda parece longe de atender às expectativas da comunidade, sobretudo do setor produtivo.
Ao mesmo tempo, não se tornou até aqui uma iniciativa transparente, a ponto de passar à opinião pública números quanto ao investimento, que possam ser levados a sério. Somente ano passado, no tranco, via pressão de escasso setor da imprensa, que fustigou o Ministério Público, é que tivemos os primeiros sinais de clareza. Mas longe do que seja transparência.
O governo que se propõe participativo, precisa ouvir o setor produtivo quanto aos efeitos do evento no meio circulante, para ajustá-lo melhor. Do contrário, teremos uma inesgotável transfusão de recursos para fora do município, em vez do que é divulgado fantasiosamente em sentido inverso.

PRIMEIRA PÁGINA

EMBOLADO – Para a vice-prefeita de Mossoró, advogada Cláudia Regina (PFL), “o processo sucessório estadual continua embolado”. Em sua análise a esta coluna, o PFL continua tendo grande importância, não obstante o fato do senador José Agripino (PFL) ter sido excluído de chapa presidencial na aliança com o PSDB. Mas ela evita fazer projeções ou desenhos de cenários.
SOBRECARREGADO – Dirigente da Codern, o vereador licenciado Renato Fernandes (PL) passou a noite de quinta, 18, sob considerável pressão. A vereadora que o substitui na câmara, Cícera Nogueira (PSB), resolveu engrossar o cangote. A conversa entre ambos e o assessor dela, Almeri Júnior, tomou boa parte do tempo do vereador licenciado, durante evento da Ficro. Cícera quer ter cargos de assessoria em seu gabinete, com pessoas de sua confiança, não digerindo manter a equipe de Renato.
LONGE – A governadora Wilma de Faria (PSB) ignorou um importante evento como o lançamento da Ficro em Mossoró. A oportunidade de novamente deixar sua impressão digital no segundo maior colégio eleitoral do RN, sua cidade natal, foi desdenhada.
RUIM – Continua sofrível a oratória da prefeita Fafá Rosado (PFL). Em meio ao povão ainda é possível digerir, mas diante de platéias menos incultas, às vezes chega a ser vexatória sua aparição. Claro que um registro como esse provoca ira no Palácio da Resistência, sede do governo. Compreensível, haja vista que vivemos numa república onde todos defendem a liberdade de imprensa, desde que seja para elogiar. Exercitar o pensamento livre, com boa vontade reparadora, trata-se de sacrilégio divinal.
ANEXAÇÃO - No lançamento da Ficro, a prefeita Fafá Rosado cometeu um, digamos, pequeno equívoco de ordem geoportuária: colocou o porto de Amsterdam (Holanda) em Berlim (Alemanha). Essa suposta anexação, em outras épocas, desencadearia uma guerra global a partir do pacífico Estado batavo.
NÃO – O deputado estadual Getúlio Rego (PFL), político de biografia translúcida e coerência ideológico-partidária, não está empolgado com a corrente de “companheiros” de partidos, defensora do seu nome a vice. Numa hipotética composição do PFL com o PMDB do senador Garibaldi Filho, ele a vice deixaria um vácuo na liderança construída há décadas na região do Alto Oeste. Claro que Rêgo não cair nessa armadilha.
PESQUISA – Diretor do Instituto Índice de Pesquisa, o jornalista Casciano Vidal faz palestra nesse dia 25 de maio, 19h, no auditório do Sesi em Mossoró. Abordará questões diversas em torno das pesquisas científicas de opinião pública. A entrada é um quilo de alimento não perecível

GERAIS

- O bancário aposentado Francisco Cabral, que a propósito é padrasto do empresário Glênio Soares, está em convalescença em Natal. Fez cirurgia delicada. Saúde, Cabral.
- Ficou aquém do esperado o lançamento da 19ª edição da Feira Industrial e Comercial da Região Oeste. O evento ocorreu nessa quinta, 18, na TCM. A participação representativa e numérica esteve abaixo de anos anteriores.
- A UNP, campus de Mossoró, promove à noite desta sexta e na manhã de sábado, 20, o “Seminário Temas Contemporâneos do Direito Brasileiro”. Entre os palestrantes, o juiz Herval Júnior e advogado Paulo Lopo Saraiva.
- Na cidade de Mossoró para se apresentar no Teatro Dix-huit Rosado, o cantor-compositor mossoroense Reynaldo Bessa não abriu mão de uma agenda de contatos com amigos. Revisa o tempo, atualizando o tete-a-tete com seu passado fraternal.
19/05/2006

quinta-feira, maio 18, 2006

COLUNA DO HERZOG

E agora, com ou sem José?

O nome a vice na chapa de composição à presidência da República PSDB/PFL será o pernambucano José Jorge. Por 51 votos a 45 do senador José Agripino (RN), o senador José Jorge (PE) recebeu a indicação do PFL para ser o candidato do partido a vice-presidente da República, encabeçada pelo ex-governador paulista Geraldo Alckmin.
O lançamento oficial da chapa está marcado para o dia 29, em Recife. O senador norte-rio-grandense José Agripino endossa a chapa, como assim ficou acordado entre as alas em concorrência na escolha interna do PFL nesta quinta.
O expurgo do nome de José Agripino incide diretamente sobre a disputa estadual no Rio Grande do Norte. PFL, PMDB e PSDB que vêm conversando detidamente sobre aliança e chapa majoritária, passam a analisar uma virtual coalizão a partir de pontos mais concretos, como a não-escolha de José Agripino a vice.
Entretanto, sem dúvidas que o peso pefelista na mesa de conversação com o pré-candidato ao governo, senador Garibaldi Filho (PMDB), sofre certa desnutrição. Desdenhar Agripino, ao mesmo tempo, não é recomendável. Sendo mais um candidato governador, Agripino parte sem a aura de favorito, mas sela a realização de um segundo turno, onde tudo pode acontecer.
A sucessão potiguar continua embaralhada. A luta ao governo será com ou sem José. Eis uma das questões.

PRIMEIRA PÁGINA

APAGÃO – Em campanha presidencial, o PT não terá dificuldade em associar a chapa Alckmin-José Jorge à parte nefasta da era Fernando Henrique Cardoso. Para quem não lembra, José Jorge era ministro das Minas e Energia no período do apagão. Portanto, não será estranho que ele provoque igual colapso na candidatura - ainda anêmica - de Geraldo Alckmin.
ON LINE – O deputado federal Betinho Rosado (PFL) manteve atualizado seu irmão e líder do sistema rosalbista, ex-deputado estadual Carlos Augusto (PFL), sobre a consulta de hoje do PFL. Carlos, pelas informações que já recebera na véspera do próprio José Agripino, sabia que o senador potiguar estava em desvantagem para ser o vice de Geraldo Alckmin.
TROPA – O médico e pré-candidato a deputado estadual, Leonardo da Vinci Nogueira, estreita mais as relações com a cúpula do rosalbismo. Alguns apoios à sua postulação passam pelo crivo, conversa e fechamento do ex-deputado Carlos Augusto e do deputado Betinho Rosado. Um exemplo, é a adesão do médico e ex-prefeito de Areia Branca, Bruno Filho (PMDB), como noticiado por este blog em primeira mão.
TROPA II – Numa primeira hora, Leonardo estava contando com a boa vontade, mais o amadorismo do filho Jerônimo e do secretário de Serviços Urbanos do município, Alex Moacir. A seara não admite neófitos, mesmo com boas intenções.
TITANIC – Se existem pelo menos três nomes que estão à beira de um ataque de nervos, vendo dificuldades eleitorais para este ano, são os deputados estaduais Ruth Ciarlini (PFL) e Francisco José (PMN), além do suplente Gilvan Carlos (PSB). Às vezes, mesmo em público, eles não conseguem disfarçar a angústia. Mas é ainda muito cedo para se jogar a toalha e nenhum quadro é irreversível.
AMBULÃNCIA – O que diabos faz uma ambulância escondida há vários meses em determinado imóvel privado em Mossoró, não obstante ser um equipamento de uso público, via entidade fundacional? Com escassez de ambulâncias em Mossoró para atendimento ao cidadão, não dá para aceitar esse esconde-esconde.

GERAIS

- O jornalista Paulo Tarcísio Cavalcanti, um dos nomes mais conceituados do meio jornalístico do RN, tem também endereço entre os blogueiros. Anote aí e confira diariamente notícias e comentários do PTC: http://www.jornaldoptc.zip.net/.
- Também recomendamos o blog http://erasmojur.blog.uol.com.br/, de Erasmo Firmino.
- A Justiça Federal não alivia. Questões de débitos com o Leão do Fisco e Previdência Social encurralam vários nomes de proa do comércio e indústria de Mossoró. Tem gente presa em face desses imbróglios e o caminho não será diferente para outros. Aí, o Estado é de uma eficiência impecável.
- Novo “el dourado” para muita gente, a carcinicultura está fazendo estrago considerável no PIB mossoroense e da região. Pragas e quedas no preço internacional do camarão criado em cativeiro produzem desalento em quem acreditava na riqueza fácil.
- Giovanni Rodigheri, responsável pela instalação e consultoria técnica do sistema de TV Cabo Mossoró, está se desdobrando nesse seu trabalho na cidade e em outros endereços no país.
- À noite de hoje no parque de antenas da TV Cabo Mossoró, haverá lançamento de mais uma edição da Feira Industrial e Comercial de Mossoró (FICRO).
- Os mossoroenses terão boa oportunidade de conhecerem melhor o mundo do blog. Na segunda, 22, às 20h, um dos mais expressivos jornalistas contemporâneos do país, Ricardo Noblat, que atua na internet com um blog muito visitado, dissertará sobre o tema. O evento será no Teatro Municipal Dix-huit Rosado.

quarta-feira, maio 17, 2006

COLUNA DO HERZOG

Uma questão de compromisso

Movimentando-se para fixar o nome da ex-prefeita de Mossoró Rosalba Ciarlini (PFL) na chapa majoritária a ser encabeçada pelo PMDB do senador Garibaldi Filho, os articuladores dessa estratégia estão com dificuldades. O peemedebismo não dá sinais de que venha ceder a vaga de candidato ao Senado para Rosalba, como é pretensão do rosalbismo. Quem vai se firmando passo a passo é o ex-senador Geraldo Melo (PSDB).
De antemão, pelo que se conhece, existe um compromisso de composição entre PMDB e PSDB, oportunizando a presença de Geraldo no posto de candidato ao Senado. Rompendo esse acordo, Garibaldi e os Alves como um todo, estariam dando um péssimo sinal para o próprio rosalbismo, caso esse grupo resolva se encaixar na chapa com uma postulação a vice - e olhe lá.
Destronar Geraldo seria açular os Alves ao descompromisso. Ao mesmo tempo, como o rosalbismo poderia confiar que adiante esse mesmo sistema pudesse honrar entendimentos firmados com eles?
A ex-prefeita Rosalba Ciarlini e seu sistema sabem que beira o suicídio concorrer ao Senado em faixa própria. Não é por acaso, que o rosalbismo transpira ofegantemente por não conseguir fechar até o momento uma aliança com o peemedebismo de Garibaldi Filho, favorito ao governo do Estado.
Expurgar Geraldo Melo não é uma tarefa fácil. Mantê-lo, com o argumento de ser um candidato viável ao Senado, não se trata apenas de uma dose de coerência, é também de compromisso.

PRIMEIRA PÁGINA

LAURO – Filho da governadora Wilma de Faria (PSB), Lauro Maia está sendo aguardado nessa quinta, 18, em Mossoró. A expectativa é que ele acompanhe a mãe em programação a ser cumprida por Wilma na cidade. Existem vários problemas de ordem política para Lauro arbitrar e, quem sabe, solucionar.
VEREADORES – Os oito suplentes de vereadores que esperam ser efetivados na Câmara de Mossoró, via Projeto de Emenda à Constituição (PEC) em tramitação no Congresso, estão bastante otimistas. Segundo Tomaz Neto, um dos virtuais beneficiados, a matéria está na pauta e poderá garantir mudanças em centenas de câmaras pelo país, como Mossoró. Nessa cidade, a casa perdeu oito parlamentares, deixando de ter 21 para possuir atualmente 13.
LÓGICA – Dos dois lados Rosados que há anos comandam a política local, os movimentos para a bipolarização política à campanha deste ano estão começando. À medida que o tempo passa, essa operação tácita vai se formando. A lógica política dos Rosados do A e do B, alimenta a idéia nos menos atentos de que eles são adversários – ferrenhos - entre si. A partir dessa estratégia, garantem votos abundantes para seus respectivos candidatos, asfixiando outros que estão fora desse contexto político-teatral.
EL CID – Mesmo depois de morto, o líder Aluízio Alves deverá ter um peso sobremodo na vida do filho e herdeiro político, deputado federal Henrique Alves (PMDB). Ninguém se assuste se Henrique, rumo ao décimo mandato consecutivo, alcançar os 200 mil votos. Aluízio, sem vida, seria à sua campanha uma reprodução mítica do herói ibérico “El Cid“, à frente da tropa. A imagem de Aluízio será substancial.
COMPROMISSO – O deputado Francisco José (PMN) tomou outro prejuízo. A decisão que anunciamos em primeira mão neste blog na edição passada, sobre a postulação do deputado estadual Robinson Faria (PMN) à reeleição, atordoa Francisco José. Ele mudou-se do PSB para o PMN, entre outras coisas, para contar com munição de Robinson em dobradinha com em vários municípios. Isso não deverá acontecer. Fábio, filho de Robinson, é que será candidato a deputado federal.
SOMBRA – O reitor da Uern, professor Milton Marques, identifica sinais claros de que greves e outras dificuldades enfrentadas por sua gestão nos últimos tempos não são apenas vicissitudes comuns ao poder. Há muito de orquestração com gente próxima, que deveria somar, procurando subtrair suas forças. A corte é assim. Sempre tem o quinta-coluna, o conspirador, o bufão e outros personagens.

GERAIS

- Neste 17 de junho, dia de muitos parabéns para o radialista George Wagner, que passa o dia com a família em Mossoró. Vivas também para Goreti Viana, mulher de José Maria Viana. Obrigado pelo espaço, caros colunistas sociais.
- Contatos com este colunista podem ser feitos pelo endereço eletrônico herzogcarlos@gmail.com, sem maiores dificuldades. O.K?
- Uma boa notícias para esta nação, mostrando que nem tudo está perdido. Na segunda, 15, apesar do propalado anúncio dos convocados para a seleção que vai à Copa do Mundo, o país não parou, nem mesmo de frente às TV´s nas lojas de eletrodomésticos.
- Filho do mossoroense João Monte, o médico Hipólito Monte está enfrentando problema de ordem pessoal bastante delicado em Fortaleza. Em separação da mulher, herdeira do milionário grupo Otoch (Esplanada), Hipólito administra uma questão paralela: o patriarca José Otoch é seu sócio no grandioso hospital Mont Klinikum, referência em termos de qualidade até em nível nacional.

terça-feira, maio 16, 2006

COLUNA DO HERZOG

Robinson à reeleição
O deputado estadual e presidente da Assembléia Legislativa, Robinson Faria (PMN), tomou uma posição que parece definitiva: vai ser candidato à reeleição, tentando o sexto mandato consecutivo. A opção está bem distante da postulação de federal que parecia irreversível até bem pouco tempo, ou mesmo de saltos maiores como cadeira ao Senado ou vice-governador.
Há alguns meses, em conversa com o deputado, ele nos confidenciou: "Não vou entrar em aventura". Argumentou que seu projeto em andamento era de candidatura a deputado federal. Àquele tempo, já se falava na hipótese do parlamentar ser candidato ao Senado.
Depois de muitas idas e vindas, o que prospera é aquilo que lhe parece mais viável e racional. Tudo bem ao estilo de Robinson, filho do já falecido industrial Osmundo Faria. O deputado esquadrinha bem o tempo e espaço, sabendo que um salto falho pode lhe custar caro. Recorda que seu pai esteve a ponto de ser nomeado governador do RN no regime militar e faltando poucos dias à oficialização, dançou.
Com a decisão, Robinson transfere o nome do filho Fábio (PMN) para a chapa de candidato a deputado federal. Ao mesmo tempo, deixa o senador Fernando Bezerra (PTB) à vontade para se estabelecer como nome à reeleição, possivelmente apoiado pela governadora Wilma de Faria.
PRIMEIRA PÁGINA
AVIÃO - O ex-secretário de Desenvolvimento do RN João Maia (PL) está a mil. Em sua pré-campanha a deputado federal, enquanto a maioria da concorrência seca as canelas e sacoleja por estradas esburacadas, ele faz percursos pelo interior a bordo de um avião. A aeronave pertenceu ao grupo Sat, servindo agora a Maia.
SUMIÇO - Temos andado consideravelmente por Mossoró e região. Tem sido quase imperceptível se ouvir referência ao nome do deputado estadual Francisco José (PMN). Para conseguir mais um mandato, ele precisará ser ouvido e fazer eco. A coisa está feia.
EM EVIDÊNCIA - Em se tratando de visibilidade, os pré-candidatos a deputado estadual Leonardo da Vince (PFL) e Walter Alves (PMDB), além do pré-federal João Maia (PL) são campeões em adesivagem. Em carros de Mossoró eles já aparecem com bastante proeminência.
SAÚDE - Inadmissível que em Mossoró estejam faltando ambulâncias para atendimento ao cidadão. Num sistema municipalizado e de denso recursos, o problema parece insolúvel. E o interessante é que nenhum órgão que deveria zelar pelos direitos da sociedade está agindo efetivamente para exigir reparos e punir eventuais culpados. Não é por acaso que Mossoró se autodenomina de "país". Parece que temos um ordenamento jurídico à parte, longe do que está em vigor no Brasil.
CHAPÃO - Movido a bom senso, Robinson Faria manjou logo que está se montando no RN outro chapão a deputado federal. A seara não é para aventureiros ou mergulho de alto risco. Do jeito que oposição e situação costuram, uma hipotética candidatura sua a deputado federal poderia apenas fazer esteira à vitória de nomes como João Maia (PL), Iberê Ferreira (PSB) e Rogério Marinho (PSB), postulações preferenciais da governadora Wilma de Faria.
GERAIS
- O colunista social Sèrgio Chaves prepara mais uma festa daquelas, em torno de seu aniversário. A versão 4.1 (ainda?) será no dia 15 de julho, com horário, local e atrações ainda a serem anunciados.
- Na manhã desta terça, 16, o açude de Pau dos Ferros começou a sangrar. O Apanha peixe de Caraúbas, pelas estimativas, sangrará até o final de semana.
- A Escola Superior do Ministério Público em Mossoró promoverá curso de Direito Civil nos dias 26 e 27 próximos, no auditório da Faculdade de Medicina. As inscrições estão abertas na sala da escola, no Shopping Salinas, pertinho da Mater Christi.
- O cantor-compositor mossoroense Reynaldo Bessa vai gravar DVD em Mossoró no Teatro Dix-huit Rosado no dia 24 próximo, às 20h. Conhecemos Bessa desde os primórdios dos anos 80, quando fazia os primeiros acordes no violão.
- Apesar do esforço elogiável da Prefeitura de Mossoró na restauração e ampliação do estádio Nogueirão, há um senão. As cabines seguem padrões microscópicos, além de posição que em dia de casa cheia atrapalha a visão dos locutores, ante um público de pé. Lamentavelmente, nunca se consulta quem vai usar o equipamento, na hora de produção de projetos públicos.