CARLOS SANTOS ON LINE

Blog jornalístico editado e postado no Rio Grande do Norte (Brasil)

Minha foto
Nome:
Local: Mossoró, RN, Brazil

Jornalista, atuando profissionalmente há mais de 21 anos, com experiência em jornal impresso, TV, revista, rádio, webjornalismo e mídias alternativas, além de assessorias político-empresariais. CONTATOS: herzogcarlos@gmail.com

quarta-feira, maio 24, 2006

COLUNA DO HERZOG

O combustível da violência

TV no ar, o presidente Lula resolve traçar uma radiografia da convulsão social que assola São Paulo, provocada pelo Primeiro Comando da Capital (PCC), grupo criminoso que desafia o Estado. Para Lulinha paz e amor, a sanha delinqüente é resultado da pobreza e falta de educação. Daí, nasceriam os Marcola, Beira-mar, Escadinha etc, estima nosso presidente.
Associar intrinsecamente o crime à condição sócio-educativa é uma visão cientificamente inconsistente. Está ultrapassada aqui ou em qualquer parte do mundo moderno. O mal não é um monopólio da ignorância e da esqualidez pecuniária. O behavorismo, segmento de estudo da psicologia nascido nos Estados Unidos, afirmava que o homem seria fruto de carga hereditária somada a hábitos do seu entorno. O indivíduo como produto do meio, resumidamente.
A análise preconceituosa de Lula seria intempestiva vinda de qualquer pessoa esclarecida. O caso se reveste de maior gravidade, em face da origem do próprio presidente e da relevância do cargo ocupado. Pobre, nordestino, retirante da seca na infância e analfa até parte da adolescência, ele e o restante da numerosa família nem por isso migraram para o submundo, naquele tempo.
Sem dúvidas, que existem fatores diversos que podem induzir o indivíduo ao crime. O meio seria um deles. Mas partindo da conceituação abrangente de Lula, teríamos que cercar indiscriminadamente as favelas e bairros paupérrimos, os transformando em reproduções de campos de concentração nazistas, numa solução final em massa contra a violência.
A tese presidencial só tem alguma afinidade com o alvo, porque é pobre em conteúdo e argumentos.
A partir das observações do presidente, é fácil desmontar seu raciocínio ao se indagar: o que levaria ao crime assessores parlamentares bem pagos, políticos, juízes, altos empresários e outros abonados? Normalmente bem instruídos, socialmente destacados e endinheirados, por que se transformariam em foras da lei?
Presidente, o grande combustível à violência, ao crime continuado e à prática de delitos contra o cidadão e o Estado, é a impunidade. Pobre e sem instrução, os excluídos se desesperam e podem enveredar pelo crime. Entretanto o mais comum mesmo é oscilarem entre a mendicância viciogênica e a segregação humilhante. Afinal de contas, o lado bom da vida e das cidades, é destinado a poucos.
Não temos até hoje em nossa civilização, um formato de desenvolvimento que acople a necessidade de dilatação das riquezas com socialização dos seus benefícios. Apenas copiamos modelos de além-mar, como se colônia ainda fôssemos (ou somos). Das roupas à linguagem, passando pela política econômica, somos uma nação de costumes transplantados, mas com incrível capacidade de apenas multiplicar o pior do que se importa. A impunidade é o selo da desqualificação “Made in Brazil”.
Continuamos sendo vítimas de gerações de poderosos excludentes, patrimonialistas, oligárquicos e habitués da pilhagem. Poder-se-ia dizer que é um legado luso. Sinceramente, deixemos os irmãos portugueses em paz. Do lado de lá do Atlântico, eles estão se inserindo no que os norte-americanos passaram a conceituar como o “welfare state”, o estado do bem-estar social, enquanto a terra brasilis apenas engatinha e vive de bazófias intragáveis. Delírios próprios do poder.
O filósofo Antônio Gramsci, decepcionado com os rumos da esquerda no seu tempo, no século passado matava a charada de certas retóricas salvacionistas com uma verdade que a realidade não derrubou. Para ele, o proletariado não se revelava apto à verdadeira revolução social, por não possuir um molde próprio de felicidade particular e coletiva. No fundo, todos querem ser burgueses.

PRIMEIRA PÁGINA

ESPIGAS – O vereador Chico da Prefeitura (PFL), no quinto mandato consecutivo na Câmara de Mossoró, escolheu o símbolo de sua campanha a deputado estadual – se deixarem – este ano. “Vou expor duas espigas de milho gigantes no meu palanque”, avisa. Ele pretende reproduzir metáforas já utilizadas em disputas passadas, como o duelo de Davi contra Golias, o “tostão contra o milhão”.
ARAPONGA – O ex-prefeito de Caraúbas Júnior Gurgel tem feito trabalho na surdina para o grupo da governadora Wilma de Faria (PSB). Ele apronta relatórios regulares quanto ao comportamento da opinião pública em relação à governante e o governo. Também identifica pontos de estrangulamento entre lideranças e o próprio governismo.
JALECO – Indagada quanto à ausência do médico e seu marido Leonardo da Vinci (PFL) de um evento do município, à noite de segunda, 22, a prefeita Fafá Rosado (PFL) foi professoral: “Está cuidando do consultório; já imaginou se ele não for eleito!?” e completou: “Ele não pode abandonar o consultório”.
NA MÃO – Vereador e presidente da Câmara de Mossoró, Júnior Escóssia (PFL) deixou seus pares furibundos ontem pela manhã. Em plena sessão ordinária sumiu do plenário. A cólera dos 12 vereadores se assenta num pequeno detalhe: ele não assinou as ordens de pagamento dos subsídios dos seus colegas. A notícia é que viajara às pressas para a capital do Estado.
AMBULÂNCIAS – A proprietária da indústria onde duas ambulâncias fizeram morada há tempos, pediu a retirada dos veículos às pressas do seu imóvel. O temor é que respingue sobre ela os efeitos dessa estranha salvaguarda. Suplementarmente, contratou escritório de advocacia em Mossoró, para o caso de ser envolvida em inquérito federal e processo judicial.
ZÉ PEIXEIRO – Um dos cabos eleitorais mais disputados na atualidade em Mossoró é Zé Peixeiro, nome com atuação no bairro Santo Antônio e adjacências. Na campanha municipal de 2004, ele deixou muita gente na fumaça, aditivando o nome de uma irmã, que por pouco não figurava entre os 13 vereadores eleitos.
LEI – Nos Estados Unidos, uma atriz que faz sucesso internacional na série Lost, acabou presa por dirigir embriagada e desobedecer a pena tênue pelo excesso. São dois meses de xadrez. Por aqui, bacana rouba fortunas, às vezes passa uns dias na carceragem da Polícia Federal e depois sai debochando da lei. Rindo de nós.

GERAIS

- O reservatório de Apanha Peixe em Caraúbas está na iminência de sangrar. Faltam cerca de 30 centímetros para a água transpor a barragem do mais importante manancial hídrico do município.
- A Associação de Pais e Amigos das Crianças Excepcionais (APAE) está com uma campanha que merece o nosso endosso. Ligue até o dia 29 deste mês e doe recursos a essa entidade séria. Anote os números: para R$ 5,00 ligue 0500-45-100-05; para R$ 10,00 o número é 0500-45-100-10; o valor de R$ 20,00 pode ser feito acionando o 0500-45-100-20 e acima de R$ 20,00 é discar (11) 3038-5585. Não se trata de caridade e, sim, solidariedade.
- Quem andava entrevado em casa, é o vetusto jornalista Thurbay Rodrigues, acometido do que se convencionou chamar de virose. Por isso, a sua ausência da boa programação jornalística da RPC, tamponada hoje no Comando Geral, apresentado ao lado do Givanildo Silva, pela manhã.
- O Aeroporto de Mossoró está interditado e perdeu vôos regulares, por falta de segurança com iluminação em sua pista. O interessante é que cada lâmpada custa cerca de R$ 600 e uma empresa como o Parque Elétrico pode entregar a quantidade necessária em 24 horas, a partir do pedido. O custo disso? Cerca de R$ 36 mil. Nossa classe política é realmente sofrível.
- O camaradinha Caby Costa Lima está com um saite bastante diversificado, o www.azougue.com.br. Acesse-o. Ótimo também o www.natalpress.com.br. Ao mesmo tempo, o blog do jornalista Paulo Tarcísio Cavalcanti, www.jornaldoptc.zip.net.
- Hoje às 20h, o ótimo Reynaldo Bessa faz apresentação no Teatro Municipal Dix-huit Rosado. Pena obrigações escolares nos impeçam de prestigia-lo. - Todos os vivas do mundo para os jornalistas Mário Gerson (Gazeta do Oeste), Marcos Bezerra (Inter TV Cabugi) e Raul Pereira (Correio da Tarde). Foram vencedores do prêmio Jornalista Dorian Jorge Freire de Jornalismo.
- A próxima edição da revista mensal Papangu será lançada dia 31 em Natal, na A.S Livros. É enorme o conceito desfrutado pelo periódico de Túlio Ratto na capital.
- O cantor Orlando Morais, ótimo letrista e músico, fará apresentação no Teatro Dix-huit Rosado amanhã às 20h. Ao meio-dia, ele dará entrevista a rádio RPC.

SÓ PRA CONTRARIAR

Quando, afinal, os pré-candidatos ao governo e ao Senado vão apresentar pelo menos uma proposta de trabalho ao RN?

4 Comentários:

Anonymous Alexandro Gurgel disse...

Caro colega Carlos Santos,

Seu blog está excelente. Notícias e notas fesquinhas. Vida longa ao blog. Parabéns. Tomei a liberdade de fazer um link do blog Grande Ponto para o seu.

11:51 AM  
Anonymous Luziária Machado disse...

Caro colega,
Quero parabenizá-lo pelo Blog. Estava sentindo falta dos seus comentários sobre os fatos da política e do cotidiano da nossa cidade... por falar nisso, pude perceber que vc não citou o nome do nosso colega Carlos Adams entre os vencedores do Prêmio Dorian Jorge Freire. Não tirando o mérito das demais categorias, de todos os ganhadores ele é o mais jovem, e que portanto, precisa de mais incentivos para continuar abrilhantando o jornalismo mossoroense... não que a gente viva de elogios, mas vc sabe que o rapaz teve o seu mérito, e não entendi a ausência do nome do jovem jornalista na relação divulgada no seu blog dos vencedores do prêmio...
Abraços,

3:27 PM  
Anonymous Anônimo disse...

Olá Carlos. Orlando Morais estarpa hoje na Difusora, a partir das 10h, dentro do programa J. Régis, apresentado hodiernamente por Ewerton Linhares, já que o titular curte férias. Grande abraço. Emerson Linhares

9:16 PM  
Anonymous Graça Sabino (psicanalista) disse...

Olá Carlos!!!

Confesso que "algumas vezes" lia sua coluna sem muito entusiasmo (detesto política partidária, não conseguia identificar os atores de suas "falas"). Entretanto, muito me surpreendi ao ler " O Combustível da Violência","artigo" que me deixou bastante entusiasmada pela qualidade do texto, com embasamentos teóricos, etc.(as vezes lanço um olhar muito crítico aos trabalhos alheios, porém, confesso, não me considero capaz de escrever algo desse nível - não sobre esse tema). Imediatamente passei a fazer "associações" à sua nova condição de universitário do curso de Direito. Isso me deixa bem à vontade pra lhe sugerir desdobramentos dessa publicação:
que você aprofunde mais o tema, busque outras fontes que nos leve às "composições químicas" desse combustível, assim como os componentes capazes de torná-lo "inflamavel";
Apresente no XVI Congresso de Psicanálise do Círculo Brasileiro de Psicanálise, que acontecerá aqui em Natal em 31/08 à 02/09/2006, no Blue tree Park Hotel (depois mando detalhes) - O tema será : As Fronteiras da Psicanálise: Saude, Direito, Educação e Neurociências.

12:17 PM  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial