CARLOS SANTOS ON LINE

Blog jornalístico editado e postado no Rio Grande do Norte (Brasil)

Minha foto
Nome:
Local: Mossoró, RN, Brazil

Jornalista, atuando profissionalmente há mais de 21 anos, com experiência em jornal impresso, TV, revista, rádio, webjornalismo e mídias alternativas, além de assessorias político-empresariais. CONTATOS: herzogcarlos@gmail.com

sábado, março 17, 2007

Abatedouro é ameaçado por vírus da burrice

O secretário municipal Nilson Brasil declarou, em entrevista para O Mossoroense, que a Prefeitura “estava fazendo um estudo de viabilidade econômica do abatedouro”.

Ora, o caso do Afim (Abatedouro Frigorífico e Industrial de Mossoró) não é de viabilidade econômica, qualquer pessoa medianamente bem-informada e bem-intencionada sabe disso.

O Afim, quando surgiu nos anos 80 (após anos de construção), tinha um componente econômico, que era a fabricação e comercialização de embutidos e outros produtos.

Hoje, é tão-somente um instrumento de saúde pública.

O objetivo dessa empresa pública municipal fica resumido ao abate de bovinos e suinos. Por sinal, diga-se de passagem, sendo realizado em péssimas condições.

Se a prefeita Fafá Rosado (PFL) - que é profissional da área de saúde – e seus auxiliares não entenderem isso e desejam levar a discussão para outro caminho, pior para Mossoró. De novo. Olha lá, olha lá como isso é nefasto para o cidadão em geral.

Outro dia, a cidade conviveu com a triste notícia do falecimento de uma jovem, motivada por questões ligadas ao consumo de carne de porco contaminada.

Com o grande número de abates clandestinos, estamos todos nós expostos a graves problemas. A carne que chega à nossa mesa, seja de gado ou de porco, tem procedência desconhecida e, logicamente, não passa por fiscalização alguma.

O problema não é de viabilidade econômica, é de saúde, é de vida... Fora disso, o debate é fincado na ignorância, na burrice que se transforma em vírus endêmico na atividade pública mossoroense.

O Ministério Público (nosso zeloso guardião) estará atento para mais esta questão.

Marcadores:

0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial